Lula e presidente da Guiana falam sobre crise em Esequibo

Reunião entre os líderes aconteceu à margem da COP28

A assessor internacional de Lula, o ex-chanceler Celso Amorim, viajou a Caracas para tratar da crise com as autoridades venezuelanas (foto: ANSA)
A assessor internacional de Lula, o ex-chanceler Celso Amorim, viajou a Caracas para tratar da crise com as autoridades venezuelanas (foto: ANSA)

(ANSA) - O presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva (PT) ,deve se reunir nesta sexta-feira (1º) nos Emirados Árabes Unidos, à margem da COP28, com seu homólogo da Guiana, Mohamed Irfaan Ali, para analisar as tensões com a Venezuela, que reclama a soberania na região do Essequibo .

O governo venezuelano realizará no próximo domingo (3) uma consulta popular sobre a soberania do país nessa região rica em petróleo e minerais que está em território da Guiana, no nordeste da América do Sul.

"O Brasil está acompanhando [a situação] e mantendo um dialogo construtivo em busca de uma solução bilateral, uma solução pacífica para essa questão", disse ontem (30) a embaixadora Gisela Figueiredo Padovan, secretária de América Latina no Itamaraty.

"Nosso interesse é realmente não ter nenhuma questão militar ou bélica na nossa região, a gente preza pela paz", acrescentou a diplomata.

Na semana passada, o assessor internacional de Lula, o ex-chanceler Celso Amorim, viajou a Caracas para tratar da crise com as autoridades venezuelanas.

O Brasil restabeleceu relações com a Venezuela neste ano, e Lula até recebeu seu homólogo Nicolás Maduro em Brasília, após a ruptura do vínculo diplomático durante o governo do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL).

No entanto, tropas militares brasileiras reforçaram sua presença no estado de Roraima, localizado na tríplice fronteira com Venezuela e Guiana. (ANSA)