/ricerca/brasil/search.shtml?any=
Mostre menos

Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

Macri defende moeda única para Brasil e Argentina

Aliado de Milei fez ressalva apenas sobre dolarização

(ANSA) - BRASÍLIA, 11 dezembro 2023, 18:18

Redação ANSA

ANSACheck

Milei parabenizado por Macri © ANSA/EPA

(ANSA) - O ex-presidente argentino Mauricio Macri defendeu nesta segunda-feira (11) em São Paulo a moeda única entre Brasil e Argentina, seguindo o modelo da União Europeia, mas fez um leve questionamento à dolarização defendida pelo flamante mandatário, seu aliado Javier Milei.

"Entendo as vantagens simbólicas da dolarização, mas o Equador (país que adotou o dólar como moeda) voltou a ter déficit fiscal", afirmou Macri, segundo o jornal Folha de S.
    Paulo.

Ele lembrou que em 2019 discutiu com seu colega, Jair Bolsonaro (PL), e o então ministro da Economia, Paulo Guedes, a possibilidade de adotar uma moeda única.

Dado que Brasil e Argentina têm suas economias voltadas para a exportação de commodities, há espaço para a criação de uma moeda comum, afirmou.

Macri disse que não "muda uma vírgula" do discurso feito ontem (10) por Milei após a posse do cargo em Buenos Aires. O manifesto do novo governante, avaliou, foi "perfeito, sobretudo do ponto de vista liberal; as ideias que ele defende são as que sempre defendi".

Macri também expressou seu apoio ao ajuste fiscal mileísta. Ele defendeu o "congelamento de todos os gastos públicos possíveis para gerar equilíbrio".

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) não participou na cerimônia de na Casa Rosada após uma série de polêmicas com Milei, que tem uma estreita relação com Bolsonaro. Para Macri, o novo governante não deve criar dificuldades na relação com o Brasil. "Ele (Milei) é muito pragmático, aprende rápido", finalizou.
   

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Veja também

Ou use