/ricerca/brasil/search.shtml?any=
Mostre menos

Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

Na Guiana, Lula volta a acusar Israel de genocídio

Presidente discursou na cúpula da Caricom

(ANSA) - BRASILIA, 28 fevereiro 2024, 17:49

Redação ANSA

ANSACheck

Lula foi à Guiana para Caricom © ANSA/EPA

(ANSA) - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva voltou a questionar nesta quarta-feira (28) o "genocídio" israelense na Faixa de Gaza durante o encerramento da 46ª Conferência de Chefes de Governo da Comunidade do Caribe (Caricom) em Georgetown, na Guiana.

"Um genocídio na Faixa de Gaza afeta toda a humanidade, porque questiona nosso próprio senso de humanidade. E confirma mais uma vez a opção preferencial pelos gastos militares, em vez de investimentos no combate à fome na Palestina, na África, na América do Sul ou no Caribe", destacou Lula.

O líder progressista desencadeou uma crise diplomática com Israel em 18 de fevereiro, na Etiópia, quando declarou: "O que está acontecendo na Faixa de Gaza com o povo palestino não existe em nenhum outro momento histórico. Aliás, existiu quando Hitler resolveu matar os judeus".

Essa declaração em Adis Abeba fez com que a chancelaria israelense declarasse o petista "persona non grata".

Nesse contexto, na semana passada, chegou ao Brasil o embaixador brasileiro em Tel Aviv, Frederico Meyer.

Segundo fontes diplomáticas, a solução da crise com o governo do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu está longe de ser resolvida, já que Lula avalia estender por tempo indeterminado a permanência de Meyer no Brasil, conforme reportou a CNN Brasil.


   
   

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Veja também

Ou use