/ricerca/brasil/search.shtml?any=
Mostre menos

Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

Grupo Wagner não é ameaça para países da Otan, diz governo dos EUA

WASHINGTON, 01 agosto 2023, 16:22

Redação ANSA

ANSACheck

Membros do Grupo Wagner estão em Belarus - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

(ANSA) - O governo americano disse nesta terça-feira (1º) que o grupo de mercenários russos Wagner não representa uma ameaça para a Polônia nem para países da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan).

"Não temos indicação de ameaças à Polônia ou outros aliados da Otan por parte do grupo Wagner", declarou o porta-voz do Conselho de Segurança Nacional americano, John Kirby, em coletiva de imprensa.

De acordo com Kirby, citando informações de Washington, alguns dos mercenários "foram para a África, outros permaneceram na Ucrânia e outros ainda deslocaram-se para Belarus".

A declaração é dada no dia em que o presidente da Lituânia, Gitanas Nauseda, disse que "as iminentes eleições políticas, marcadas na Polônia para o final deste ano, podem ter influenciado as avaliações sobre a ameaça representada pelos mercenários Wagner em Belarus".

Já o presidente da Comissão de Defesa do Parlamento da Lituânia, Lauryanas Kasciunas, destacou a necessidade de manter a guarda e se preparar para possíveis provocações e ataques híbridos, além de reiterou a influência da campanha eleitoral nas avaliações do governo polonês.

"A presença das tropas de Wagner em Belarus representa mais um fator de risco que, no entanto, ficará vinculado a uma série de decisões futuras. Ainda não sabemos como os mercenários estarão armados e que mandato terão", concluiu Kasciunas.
   

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Veja também

Ou use