Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

'Nunca irei desistir', disse Navalny à ANSA em 2018

Opositor lamentou chance de não visitar mais Roma por sanções

BRUXELAS, 16 fevereiro 2024, 14:08

Redação ANSA

ANSACheck

O advogado e ativista morreu aos 47 anos em uma prisão na Rússia - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

Há quase exatamente seis anos, o líder opositor russo Alexei Navalny havia acabado de ter sua candidatura ao Kremlin excluída pelas autoridades do país quando aceitou dar uma entrevista à ANSA.

Na oportunidade, o advogado e ativista, que morreu aos 47 anos em uma prisão na Rússia, garantiu que nunca iria desistir.

"Não posso aceitar que um movimento que tem milhões de apoiantes seja excluído da construção do futuro do meu país, Putin optou por permanecer no poder com a fórmula da presidência vitalícia e está construindo um sistema feudal baseado em clãs familiares, que agora controlam 85% da nossa economia", indicou Navalny na entrevista concedida em 18 de fevereiro de 2018.

"É possível dizer que sou politicamente inspirado pela Europa. Os russos são europeus, a nossa identidade assim o diz, e a Rússia deve se tornar um país líder na Europa. A UE, apesar de seus problemas, tem sido capaz de proporcionar uma vida estável aos seus cidadãos. Essa ideologia de Putin, com uma Rússia diferente da Europa e da Ásia, que deve desenvolver-se de forma autônoma, é prejudicial e falsa", acrescentou.

Na oportunidade, Navalny comentou que desejava ver a Itália sendo um "pouco mais amiga" do povo russo e um "pouco menos" dos oligarcas do país.

"São investimentos que trazem consigo a corrupção e o crime organizado. Acho que vocês não precisam disso, pois os de vocês já são suficientes", opinou.

Navalny, que confessou ser um grande fã do Festival de Sanremo, lamentou a possibilidade de nunca mais visitar Roma em função das sanções do regime de Putin. A hipótese virou realidade, pois o opositor faleceu sem ter voltado para a capital italiana.
   

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Veja também

Ou use

Último momento

404 Not Found

404 Not Found


nginx