Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

UE pede que Israel cancele operação militar em Rafah

Área superlotada de palestinos seria gravemente afetada

BRUXELAS, 16 fevereiro 2024, 17:47

Redação ANSA

ANSACheck

Palestinos deslocados em Rafah © ANSA/EPA

(ANSA) - O alto representante da União Europeia para Política Externa, Josep Borrell, afirmou nesta sexta-feira (16) que o bloco “está muito preocupado com os planos do governo israelense relacionados a uma possível operação terrestre em Rafah, onde mais de um milhão de palestinos estão atualmente se refugiando dos combates”.

“A UE reconhece o direito de Israel se defender de acordo com o direito internacional e o direito humanitário internacional”, complementou, mas “pede ao governo israelense que não empreenda uma ação militar em Rafah que pioraria uma situação humanitária já catastrófica e impediria o fornecimento de serviços básicos e de assistência humanitária necessária”.

O ministro do gabinete de guerra israelense, Benny Gantz, disse que o país empreenderá a ação em Rafah caso o Hamas não devolva os reféns que estão em seu poder.

Ele sinalizou que não haverá cessar-fogo em caso contrário, mesmo com a proximidade do Ramadã, mês sagrado para os muçulmanos.

A região de Rafah está superlotada, com um aumento de cinco vezes a população desde o início dos ataques.

Mais de 1 milhão de deslocados fugiram para o local, se instalando em acampamentos improvisados.

Até o momento, essa era uma das únicas áreas mais poupadas pelos avanços militares de Israel.

 
   

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Veja também

Ou use

Último momento

404 Not Found

404 Not Found


nginx