Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

Hamas acusa Israel de matar mais de 100 em entrega de comida

Caso pode prejudicar as negociações para cessar-fogo

ROMA, 29 fevereiro 2024, 19:46

Redação ANSA

ANSACheck

Displaced Palestinians at Rafah refugee camp, southern Gaza © ANSA/EPA

(ANSA) - A morte de dezenas de palestinos durante uma distribuição de ajudas humanitárias na Faixa de Gaza nesta quinta-feira (29) pode complicar as já intrincadas negociações entre Hamas e Israel para um cessar-fogo temporário.

Segundo o grupo fundamentalista islâmico, pelo menos 104 pessoas foram mortas por forças israelenses e 760 ficaram feridas enquanto esperavam em uma fila por alimentos na Cidade de Gaza, principal município do enclave e devastado nas primeiras semanas do conflito.

"As negociações conduzidas pela liderança do movimento não são um processo aberto a despeito do sangue do nosso povo", alertou um comunicado do Hamas, que já culpa Israel por um eventual fracasso das tratativas.

No entanto, um porta-voz militar do país judeu disse que palestinos "cercaram" e "saquearam" caminhões de ajuda no norte de Gaza e colocaram tropas israelenses em risco.

"No incidente, dezenas de pessoas foram pisoteadas pela multidão", afirmou o Exército, acrescentando que os soldados "dispararam contra quem cercava" o comboio. Além disso, as forças israelenses divulgaram um vídeo que mostra pessoas circundando os caminhões .

Já o ministro da Segurança Nacional de Israel, Itamar Ben-Gvir, de extrema direita, cobrou o fim da distribuição de ajudas humanitárias em Gaza. "Hoje ficou provado que isso não é apenas loucura enquanto nossos reféns continuam na Faixa, mas também prejudica os soldados do Exército", declarou.

O governo dos Estados Unidos, por sua vez, definiu o episódio como "incidente grave" e lamentou a "perda de inocentes vidas humanas" no enclave palestino, enquanto o presidente Joe Biden já disse ser "provável" que os dois lados não cheguem a um acordo para a próxima segunda-feira (4).

O vice-premiê e ministro das Relações Exteriores da Itália, Antonio Tajani, também se pronunciou e disse que as "trágicas mortes" de palestinos durante a distribuição de ajuda humanitária exigem um "imediato cessar-fogo".

"Pedimos com força a Israel que proteja a população em Gaza e investigue fatos e responsabilidades com rigor", acrescentou o chanceler no X (antigo Twitter). (ANSA)

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Veja também

Ou use

Último momento

404 Not Found

404 Not Found


nginx