/ricerca/brasil/search.shtml?any=
Mostre menos

Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

Gastos militares bateram recorde em 2023, aponta estudo

Pesquisa informou que despesa global foi de US$ 2,4 trilhões

ESTOCOLMO, 22 abril 2024, 16:42

Redação ANSA

ANSACheck

Soldados noruegueses sentados em tanque durante um exercício militar na Alemanha © ANSA/EPA

Uma pesquisa realizada por um instituto na Suécia apontou que os gastos militares globais em 2023 registraram o maior aumento em mais de uma década.

De acordo com o levantamento do Instituto Internacional de Pesquisa para a Paz de Estocolmo (Sipri), o valor alcançando neste setor atingiu um máximo histórico de US$ 2,4 trilhões.

O estudo afirmou que os gastos militares subiram em todo o mundo, principalmente na Europa, no Oriente Médio e na Ásia.

"Está em um nível mais alto e pela primeira vez desde 2009 vimos um aumento das despesas em todas as cinco regiões geográficas", comentou Nan Tian, pesquisador da entidade.

O instituto acrescentou que os registros demonstram claramente a "deterioração da paz e da segurança em todo o mundo".

Na análise de Tian, a guerra em território ucraniano puxou a elevação das despesas e arrastou muitas outras nações para o mesmo caminho.

Os Estados Unidos, a China, a Rússia, a Índia e a Arábia Saudita foram os cinco países que mais injetaram dinheiro neste setor. Moscou, por exemplo, elevou os custos em 24%, atingindo US$ 109 bilhões
   

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Veja também

Ou use