/ricerca/brasil/search.shtml?any=
Mostre menos

Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

Regeni foi torturado com pau e sofreu queimaduras, diz legista

Médico relatou resultado de autópsia durante julgamento

ROMA, 24 abril 2024, 15:29

Redação ANSA

ANSACheck

Giulio Regeni foi torturado por agentes no Egito - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

O pesquisador italiano Giulio Regeni, estudante de doutorado da Universidade de Cambridge brutalmente assassinado no Cairo no início de 2016, foi torturado, espancado com pedaço de pau e sofreu queimaduras.
    A informação foi revelada nesta quarta-feira (24) pelo consultor médico do Ministério Público no julgamento de Roma à revelia de quatro oficiais egípcios sobre o caso - o general de Segurança Nacional Tariq Sabir, os coronéis Athar Kamel Mohamed Ibrahim e Uhsam Helmi, e o major Magdi Ibrahim Abdelal Sharif.
    De acordo com o legista Vittorio Finceschi, que realizou a autópsia no corpo de Regeni, o estudante sofreu várias formas de tortura no Cairo, como socos, chutes, queimaduras, espancamentos nas solas dos pés e algemas dolorosas nos pulsos e tornozelos.
    Em 6 de fevereiro de 2016, o perito examinou o corpo do pesquisador, cujo cadáver mutilado e seminu foi encontrado jogado em uma vala na estrada do Cairo, em 3 de fevereiro do mesmo ano, nove dias após seu desaparecimento no metrô, em 25 de janeiro.
    Segundo o relato, o corpo de Regeni apresentava grandes sinais de tortura extrema, como contusões e escoriações, devido a uma surra severa, hematomas extensos por chutes, socos e agressões com bastão.
    Além disso, o pesquisador sofreu mais de duas dúzias de fraturas ósseas, entre elas sete costelas e todos os dedos das mãos e dos pés quebrados, bem como as pernas, braços e clavícula.
    O corpo também tinha múltiplas facadas, incluindo nas solas dos pés, possivelmente causadas por um furador de gelo ou instrumento semelhante, numerosos cortes feitos com objetos pontiagudos, como uma navalha.
    Por fim, Finceschi detalhou que constatou na autópsia que Regeni apresentava extensas queimaduras de cigarro, uma marca de queimadura maior entre a escápula feita com objeto duro e quente, uma hemorragia cerebral e uma vértebra cervical quebrada, que acabou causando sua morte.
    Regeni, de Fiumicello, uma cidade perto de Udine, no nordeste da Itália, foi tão torturado que sua mãe, Paola Deffendi, disse que só conseguiu reconhecê-lo "pela ponta do nariz", além de ressaltar que "todo o mal do mundo" foi visto no corpo de seu filho.
    Os quatro agentes estão sendo julgados à revelia depois que, devido à falta de cooperação egípcia, eles não foram informados sobre o processo.
   

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Veja também

Ou use