/ricerca/brasil/search.shtml?any=
Mostre menos

Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

Comissões do Parlamento UE vetam reconhecimento facial com IA

Texto queria implementação de tecnologia em locais públicos

BRUXELAS, 11 maio 2023, 12:36

Redação ANSA

ANSACheck

Vigilância por câmeras não poderá usar tecnologia da IA © ANSA/EPA

(ANSA) - As comissões de Justiça e Mercado Interno do Parlamento Europeu votaram nesta quinta-feira (11) pela proibição total da utilização de tecnologias de inteligência artificial (IA) para reconhecimento fácil em áreas públicas do bloco.

O texto com as regras para a IA, que incluía a proibição desse uso específico, foi aprovado com 58 votos a favor, 36 contra e 10 abstenções. A análise em plenário deve ser realizada no próximo mês.

"A Europa protegerá os direitos sem parar a inovação, mas parando a vigilância por vídeo invasiva e o uso de tecnologias sem regras", disse o relator do texto sobre a IA e eurodeputado pelo italiano Partido Democrático, Brando Benifei.

Ainda conforme o documento, está proibido o uso do IA para esse fim também em infraestruturas de defesa das fronteiras e para as tecnologias de vigilância sobre a migração clandestina.

"As fronteiras nacionais são locais públicos e, como tais, entram na proibição do novo regulamento", explicou o correlator do projeto, o liberal romeno Dragos Tudorache. Em caso de aprovação do plenário do Parlamento, o documento entrará em debate com o Conselho Europeu e a Comissão Europeia.

Por conta da importância, fontes do Executivo afirmam que querem o acordo definitivo sobre o tema até o fim deste ano.
   

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Ou use