Líder da UE visita Kiev em meio a processo de adesão da Ucrânia

Charles Michel se reunirá com Volodymyr Zelensky

Zelensky entre os presidentes da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, e do Conselho Europeu, Charles Michel, em foto de arquivo (foto: ANSA)
Zelensky entre os presidentes da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, e do Conselho Europeu, Charles Michel, em foto de arquivo (foto: ANSA)

(ANSA) - O presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, iniciou nesta terça-feira (21) uma rápida visita a Kiev, capital da Ucrânia, para se reunir com o presidente Volodymyr Zelensky e participar da cerimônia de comemoração dos 10 anos do Euromaidan, movimento ucraniano de contestação a favor dos valores europeus.

Segundo relatos, o principal assunto que será discutido é o processo de adesão da Ucrânia à UE, tendo em vista que os líderes do bloco terão de decidir em dezembro se vão aprovar ou não a abertura das negociações, conforme recomendado pela Comissão Europeia.

"Estou aqui para mostrar o grande apoio da UE à Ucrânia, num dia importante: há 10 anos, os ucranianos escolheram a Europa e alguns morreram", declarou Michel em uma breve coletiva de imprensa.

De acordo com ele, "o próximo Conselho Europeu será difícil, o relatório da Comissão sobre o alargamento não é preto ou branco, tem nuances".

"Trabalho para um Conselho bem-sucedido, mas por vezes o fracasso faz parte do processo da UE, não é segredo que alguns países estão cautelosos em relação ao alargamento", acrescentou.

A visita de Michel ocorre três semanas antes de os líderes da UE decidirem sobre o início das negociações formais para a adesão da Ucrânia ao bloco, depois de a Comissão Europeia ter recomendado o avanço devido aos esforços feitos por Kiev para cumprir os requisitos impostos.

Para ele, "as reuniões pessoais são cruciais para os ucranianos compreenderem qual é o estado da arte na UE, também no contexto da guerra no Oriente Médio".

"Não é segredo que alguns países nos atacam porque nos acusam de ter dois pesos e duas medidas. Mas a UE deve sempre lutar por princípios globais, caso contrário corremos o risco de perder a confiança do mundo", enfatizou.

Essa é a quinta viagem de Michel à Ucrânia, onde ele também se reunirá com a presidente da Moldávia, Maia Sandu. (ANSA)