/ricerca/brasil/search.shtml?any=
Mostre menos

Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

Aliados rebatem Macron e rechaçam envio de tropas à Ucrânia

Ideia foi ventilada pelo presidente da França

BRUXELAS, 27 fevereiro 2024, 18:04

Redação ANSA

ANSACheck

Prague commemorates second anniversary of the start of Russia 's invasion of Ukraine © ANSA/EPA

(ANSA) - Diversas lideranças ocidentais vieram a público nesta terça-feira (27) para rechaçar a hipótese de enviar tropas à Ucrânia, ventilada pelo presidente da França, Emmanuel Macron, durante uma reunião em Paris na noite anterior.

Durante o encontro, o líder francês destacou que o principal objetivo é "evitar que a Rússia vença a guerra" e, para isso, os aliados de Kiev não podem excluir a possibilidade de mandar soldados para o território ucraniano. "Hoje não é consenso, mas nada pode ser excluído", disse Macron na ocasião.

A ideia, no entanto, foi rechaçada de forma praticamente unânime pelos membros da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), a começar pelos Estados Unidos.

Um funcionário da Casa Branca citado pela Reuters garantiu que os EUA não têm intenção de mandar tropas à Ucrânia, e o próprio secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, assegurou que não há planos nesse sentido.

Já o poder Executivo da União Europeia salientou que o tema "não foi discutido" no bloco, enquanto o chanceler da Alemanha, Olaf Scholz, declarou que "nenhum soldado" da Otan ou da UE será enviado para a Ucrânia. "Aquilo que decidimos entre nós no início continua válido para o futuro", acrescentou.

O ministro das Relações Exteriores da Itália, Antonio Tajani, também fez coro aos outros líderes ocidentais. "Quando se fala de mandar militares, é preciso ser muito prudente porque não podemos fazer pensar que estamos em guerra com a Rússia", disse o também vice-premiê durante uma visita a Zagreb, na Croácia.

"Nós não estamos em guerra com a Rússia e, no meu juízo pessoal, não sou favorável a enviar tropas italianas para combater na Ucrânia", acrescentou.

Um eventual envio de tropas para a Ucrânia poderia ser entendido como uma declaração de guerra contra a Rússia e desencadear um conflito de proporções globais. "Isso não é do interesse do Ocidente", afirmou nesta terça o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov.

Por sua vez, o ministro russo das Relações Exteriores, Sergei Lavrov, pediu para Macron "usar a cabeça para pensamentos mais racionais e seguros para a Europa".

Vaticano

O secretário de Estado do Vaticano, cardeal Pietro Parolin, afirmou que o envio de tropas ocidentais à Ucrânia "seria aquela escalada que sempre procuramos evitar desde o início, um cenário, não diria apocalíptico, mas temível”.

Explicação

Em meio ao furor provocado por Macron, o governo da França se manifestou para explicar que uma eventual presença de tropas ocidentais na Ucrânia não significaria "beligerância".

Questionado sobre o assunto, o ministro das Relações Exteriores Stéphane Séjourné disse que "é preciso pensar em novas ações de apoio" a Kiev, incluindo iniciativas para remoção de minas e a produção de armamentos "in loco".

"Algumas dessas ações poderiam tornar necessária uma presença [militar] no território ucraniano, sem ultrapassar o patamar da beligerância", afirmou. (ANSA)

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Veja também

Ou use