/ricerca/brasil/search.shtml?any=
Mostre menos

Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

UE conclui que Áustria viola regras de livre circulação

Viena restringiu tráfego de caminhões no Passe do Brennero

BRUXELAS, 14 de maio de 2024, 11:41

Redação ANSA

ANSACheck

Áustria incluiu restrições no Passe do Brennero - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

A Comissão Europeia afirmou nesta terça-feira (14) que a Áustria está violando as regras da UE em relação a livre circulação ao implementar restrições no Passe do Brennero, localizado a cerca de 80 quilômetros a norte de Bolzano.
    A declaração é dada após o vice-premiê e ministro da Infraestrutura e dos Transportes da Itália, Matteo Salvini, ter aberto um processo inédito na União Europeia devido "as proibições unilaterais da Áustria" que "são inaceitáveis e insustentáveis porque bloqueiam o principal eixo de ligação entre o sul e o norte da Europa".
    Em um parecer, a Comissão explicou que "certas medidas em vigor na Áustria restringem o transporte de mercadorias nas autoestradas A12 e A13 e, consequentemente, a livre circulação de mercadorias" protegida pela UE.
    "Ao tomar nota de algumas explicações apresentadas pela Áustria em relação a considerações ambientais, as medidas austríacas carecem de coerência e não podem ser justificadas na sua totalidade", acrescenta o texto.
    O confronto entre Itália e Áustria no Passe do Brennero já dura há anos. Durante 2023, a Comissão Europeia procurou o caminho da mediação - organizando seis reuniões entre as partes - mas sem obter qualquer sucesso.
    Em 15 de Fevereiro, Roma enviou, portanto, uma carta a Bruxelas com o pedido para tomar medidas contra Viena pelos bloqueios unilaterais impostos aos caminhões na passagem. Na sequência, o executivo da UE iniciou sua análise.
    "Depois de avaliar cuidadosamente as alegações escritas e orais" das partes, os responsáveis da UE expressaram uma opinião contrária sobre a proibição de tráfego noturno, proibição de tráfego setorial visando determinadas mercadorias com 'afinidade ferroviária', proibição aos sábados e racionamento de veículos de cargas pesadas na entrada da autoestrada imposta pela Áustria", diz o parecer.
    Por outro lado, no que diz respeito à "exceção levantada pela Itália contra a Áustria por uma suposta falta de cooperação leal", Bruxelas diz acreditar que o governo italiano "não forneceu provas de apoio suficientes".
    O procedimento para levar a Áustria ao Tribunal de Justiça da UE é regulado pelo artigo 259.º dos Tratados. Após a adoção do parecer fundamentado pelo executivo da UE, cabe agora à Itália decidir se mantém o caso.
    No entanto, isto "não impede" que os dois países "encontrem uma solução amigável para o litígio", especifica Bruxelas, afirmando estar "pronto para apoiar ambas as partes neste possível esforço".
    Apesar disso, o Ministério de Infraestrutura e Transportes da Itália alega ter recebido o parecer com "grande satisfação" e destacou que Roma irá agora recorrer ao Tribunal de Justiça da UE, a fim de "restabelecer uma situação jurídica favorável" e "proteger o princípio da liberdade da União Europeia". "É mais uma promessa cumprida", concluiu Salvini.
   

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Veja também

Ou use