/ricerca/brasil/search.shtml?any=
Mostre menos

Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

UE eleva previsão de crescimento do PIB da Itália para 0,9%

BRUXELAS, 15 de maio de 2024, 19:16

Redação ANSA

ANSACheck

Comissão Europeia divulgou dados nesta quarta - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

A Comissão Europeia afirmou nesta quarta-feira (15) que espera que o Produto Interno Bruto (PIB) da Itália aumente 0,9% em 2023, acima dos 0,7% da previsão anterior.
    No entanto, acredita que a economia italiana crescerá 1,1% em 2025, abaixo dos 1,2% anteriores. Já a inflação deverá atingir 1,6% este ano e subir para 1,9% em 2025.
    O relatório prevê ainda que a relação entre o déficit e o PIB da Itália cairá de 7,4%, em 2023, para 4,4% em 2024, antes de subir para 4,7% no ano seguinte.
    Além disso, a Comissão Europeia espera que a relação entre a dívida pública italiana e o produto interno bruto aumente de 137,3% do ano passado para 138,6% em 2024 e 141,7% em 2025.
    "Em 2023, o PIB real cresceu 0,9%, impulsionado por uma expansão vigorosa das despesas de capital, o que resultou em grandes créditos fiscais para a renovação energeticamente eficiente de edifícios residenciais, que continuaram a mostrar os seus efeitos até ao final do ano. As despesas para consumo tanto das famílias como do Estado aumentaram 1,2%", escreve.
    O Executivo explica ainda que "as exportações líquidas deram uma contribuição positiva para o crescimento, uma vez que as exportações de bens diminuíram ligeiramente menos do que as importações, enquanto o comércio de serviços continuou a aumentar a um ritmo forte".
    A expectativa é de que em 2024 a atividade econômica se expanda ao mesmo ritmo que o ano anterior, tendo em vista que "os incentivos estatais ao investimento imobiliário deverão diminuir, enquanto os investimentos em infraestruturas e equipamentos irão recuperar gradualmente."

De acordo com a previsão, a Itália crescerá mais do que a Alemanha e a França neste ano. "Depois da recessão de 2023, a atividade econômica na Alemanha deverá estagnar em 2024", destaca.
    O crescimento de Berlim deverá ser de 0,1% em 2024 e 1% em 2025, permanecendo no final da lista entre os principais países da zona do euro.
    Por sua vez, a França crescerá 0,7% em 2024, atingindo 1,3% em 2025. Os dados apontam que os países do sul parecem estar a impulsionar a zona euro.
    A atividade econômica na Espanha deverá crescer 2,1% em 2024 e 1,9% em 2025, impulsionada pela procura interna e apoiada por um mercado de trabalho forte. Para a Grécia, espera-se um crescimento de 2,2% este ano e de 2,3% no próximo ano, enquanto que Portugal registará um aumento do PIB de 1,7% em 2024 e de 1,9% em 2025.
    "As previsões da Comissão estão em linha com as nossas. Infelizmente, os efeitos negativos do 'Superbonus' pesarão fortemente sobre a dívida nos próximos anos. Por outro lado, os dados europeus sobre a relação dívida/PIB não incorporam os efeitos das medidas muito recentes que terão efeitos positivos nas contas", explicou o ministro da Economia da Itália, Giancarlo Giorgetti.
   

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Veja também

Ou use