Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

Itália registra aumento no número de pedidos de demissão de mães

Mulheres têm dificuldades de conciliar emprego e maternidade

ROMA, 05 dezembro 2023, 14:20

Redação ANSA

ANSACheck

Mulheres pedem demissão para cuidar de filhos - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

(ANSA) - A Itália registrou um aumento no número de pedidos de demissão apresentados por funcionários nos primeiros três anos de vida de seu filho, informou a Inspeção Nacional do trabalho (INL).

Segundo os dados divulgados nesta terça-feira (5), 61.391 pessoas pediram demissão em 2022, um aumento de 17,1% em relação ao ano anterior.

O fenômeno diz respeito sobretudo às mulheres, que totalizam 44.669 demissões validadas, o equivalente a 72,8%, e está intimamente ligado às dificuldades de conciliação entre vida pessoal e trabalho.

Na verdade, 63% das novas mães citam a dificuldade em manter juntos o emprego e o trabalho de cuidados como uma das razões, em comparação com 7,1% dos pais.

Para os homens, a principal motivação é a mudança para outra empresa (78,9%), enquanto para as mulheres este é um motivo minoritário (24%).

A maioria dos beneficiários das validações, igual a 48.768 (79,4% do total), encontra-se na faixa etária entre 29 e 44 anos. Tal como nos anos anteriores, o maior número de medidas refere-se aos trabalhadores com apenas um filho - ou que esperam o primeiro filho -, 58% do total.

Os pais com dois filhos se confirmam como mais moderados - 32,5% do total -, sendo que o percentual de trabalhadores/as com mais de dois filhos continua limitado (7,5%).

Os números confirmam que o período crítico para a permanência no mercado de trabalho é precisamente aquele imediatamente após a maternidade.

"Deduz-se, portanto, que a qualificação profissional não constitui um impedimento à saída do mercado de trabalho na condição de parentalidade", diz o relatório.

Em uma perspectiva de gênero, de todas as 44.699 validações referentes a mulheres, a maior parte (32%) está ligada a microempresas, seguido por companhias de grande porte (26,2%), pequeno (22,3%) e por último de médio (15,5%).

De todas as demissões relacionadas aos homens, a parcela mais significativa (35,2%) situa-se na grande empresa, seguida da pequena (24,9%), da média (20,7%) e por último da microempresa (17,3%).

"A motivação mais recorrente continua a ser a dificuldade de conciliar o trabalho com as necessidades de cuidados dos filhos, tanto por razões ligadas à disponibilidade de serviços de acolhimento como por motivos organizacionais relacionadas com o contexto de trabalho", concluiu o texto.
   

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Ou use

Último momento

404 Not Found

404 Not Found


nginx