Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

Filósofo italiano Toni Negri, líder histórico da Autonomia Operaia, morre em Paris

Professor, que tinha 90 anos, foi o principal teórico do movimento

PARIS, 16 dezembro 2023, 10:28

Redação ANSA

ANSACheck

Natural de Pádua, Toni Negri fundou a Autonomia Operaia em 1973 - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

(ANSA) - O filósofo político e professor universitário Toni Negri, líder histórico do movimento de esquerda Autonomia Operaia, morreu na última sexta-feira (15) em Paris, na França, aos 90 anos.

A informação foi confirmada à ANSA por Oreste Scalzone, ex-líder do Potere Operaio e ponto de referência na capital francesa para os exilados italianos durante o período chamado de "Anos de Chumbo".

Natural de Pádua, Negri fundou a Autonomia Operaia em 1973 e foi seu líder e principal teórico até sua dissolução em 1979. Na época, o grupo foi um dos vários que emergiram do movimento estudantil e dos trabalhadores entre as décadas de 1960 e 1970.

O movimento teve um papel importante nos chamados "Anos de Chumbo" na Itália, período de turbulência social e muita violência política de esquerda e direita que decorreram entre 1960 e 1980.

O italiano foi eleito em 1983 deputado pelo Partido Radical com mais de 13 mil preferências, mas no mesmo ano se refugiou na França pelo seu envolvimento nos julgamentos de "7 de Abril" dos militantes da Autonomia Operaia.

Negri retornou à Itália em 1997 para cumprir uma pena de 12 anos de reclusão, mas foi liberado em 2003.

"Além de tudo, permanecerá a importância cultural e intelectual de Toni Negri, que espero que também seja lembrada pelos seus inimigos. Para mim é uma grande perda", disse o filósofo Massimo Cacciari à ANSA.
   

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Ou use

Último momento

404 Not Found

404 Not Found


nginx