Universidade italiana suspenderá aulas para celebração do Ramadã

Medida entrará em vigor no dia 10 de abril

Decisão foi tomada em meio à polêmica (foto: ANSA)
Decisão foi tomada em meio à polêmica (foto: ANSA)

(ANSA) - A Universidade para Estrangeiros de Siena anunciou neste sábado (30) que suspenderá as aulas no próximo dia 10 de abril por ocasião do feriado do Eid-al-Fitr, que marca o fim do Ramadã, o mês sagrado do Islã.

O reitor Tommaso Montanari explicou no decreto formal que a suspensão pretende ser um "sinal visível de solidariedade com a população palestina de Gaza, grande parte da qual é muçulmana, sujeita a um massacre incessante e sem precedentes".

A universidade também pretende suspender as aulas em 11 de outubro por ocasião do Yom Kippur, o "Dia do Arrependimento Judaico", que cai quase "um ano após o massacre de 7 de outubro" pelo Hamas contra Israel que desencadeou a guerra na Faixa de Gaza.

"Nossa missão estatutária é construir o multiculturalismo e contribuir para a coexistência pacífica entre os povos", declarou Montanari no documento.

A decisão é tomada em meio à polêmica provocada pelo vice-premiê e ministro da Infraestrutura e dos Transportes da Itália, Matteo Salvini, que propôs um limite de 20% para a presença de alunos estrangeiros em salas de aula no país, após um colégio público de Pioltello, nos arredores de Milão, informar que vai permanecer fechado em 10 de abril por ocasião do fim do Ramadã. (ANSA).