/ricerca/brasil/search.shtml?any=
Mostre menos

Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

Papa revoluciona Sínodo e permite voto de mulheres

Além disso, pontífice também institucionaliza laicos

CIDADE DO VATICANO, 26 abril 2023, 14:04

Redação ANSA

ANSACheck

Pope Francis ' General Audience - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

Em vista da assembleia geral de outubro sobre a Igreja sinodal, o papa Francisco revoluciona a composição do Sínodo dos Bispos e abre decididamente o encontro para a participação dos "não bispos" como membros com todos os efeitos, dispondo ainda o direito de votos para mulheres e para laicos.

Em outras palavras, não muda a natureza, nem o nome, que continuará a ser Sínodo dos Bispos, mas muda a composição dos participantes do próximo encontro de outubro no Vaticano. Os "não bispos" serão laicos ou religiosos nomeados diretamente pelo Papa, sendo que 50% deles devem ser mulheres. Todos terão direito a voto, chegando a um número total de 370 votantes entre 400 participantes.

As novas disposições, comunicadas nesta quarta-feira (26) em um carta para os responsáveis pelas assembleias continentais, não revogam a constituição apostólica vigente Episcopalis Communio, firmada em 2018 e que já previa a participação dos "não bispos".

Mas, adiciona novidades, motivadas pelo desejo de que o sínodo venha "de baixo", e dá números precisos: serão 70 os escolhidos nessa categoria entre sacerdotes, consagrados, diáconos e laicos provenientes das Igrejas locais e representantes "do Povo de Deus". Além disso, não existirão mais os auditores.

"Não é uma revolução em si, mas uma importante mudança", disseram os cardeais Mario Grech e Jean-Claude Hollerich, secretário-geral e relator-geral do Sínodo, respectivamente, em coletiva de imprensa.

"Fala-se em 21% da Assembleia que permanece como uma plenária dos bispos, com uma certa participação de não-bispos. A presença deles garante o diálogo entre a profecia do Povo de Deus e o discernimento dos pastores", acrescenta Hollerich.

Os nomeados pelo Papa virão de vários caminhos, incluindo de uma lista de 140 pessoas indicadas pelas Conferências Episcopais e da Assembleia dos Patriarcas das Igrejas Orientais Católicas (20 cada). Pede-se que a metade seja de mulheres e que os jovens sejam valorizados. Na escolha, deve-se levar em conta a cultura geral, com "prudência", mas também consciência e participação no processo sinodal.

Ainda terão direito a voto cinco religiosas e cinco religiosos eleitos por organizações de Superiores Gerais. Outra novidade é a presença de 10 votantes clérigos de Institutos de Vida Consagrada já previstos em 2018. Todas as eleições deverão ser ratificadas pelo Papa - e até que o pontífice não ratifique os processos, os nomes dos escolhidos não serão divulgados.

Falando de "ação histórica", a Conferência para a Ordenação das Mulheres (WOC) "celebra este desenvolvimento na história da Igreja para uma maior correspondência e equidade entre homens e mulheres no Sínodo".

"Uma quebra significativa no teto de vidro. O resultado de um sustentado ativismo, defesa e testemunho da campanha colaborativa 'Votos para as mulheres católicas', da qual a Conferência para a Ordenação das Mulheres teve um papel fundamental", acrescenta a organização.

A WOC lembra que, em 2018, "liderou o pedido pelo direito de voto para as mulheres no Sínodo manifestando pacificamente fora da Praça São Pedro só para ser maltratada e atacada pela polícia vaticana". "Por anos, representantes e bispos vaticanos resistiram, mudando a porta de cada Sínodo sobre o motivo que as mulheres não podiam votar. Mas a razão não dita sempre foi o sexismo. Mas, agora, não voltamos para trás", finalizou a entidade.
   

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Veja também

Ou use