Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

O vinho italiano vai à conquista do Brasil

Wine South America tem recorde de público com Veronafiere

BENTO GONÇALVES, 13 setembro 2023, 16:32

Redação ANSA

ANSACheck

Vinhos italianos se lançam ao mercado brasileiro com público recorde na Wine South America (Foto: ANSA) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

Um mercado de mais de 200 milhões de consumidores, com números econômicos em crescimento e boas margens de desenvolvimento para a exportação do vinho italiano.

O Brasil representa uma "aposta importante" para Veronafiere/Vinitaly, que participou do evento Wine South America, em Bento Gonçalves, no Rio Grande do Sul, registrando um "número recorde de expositores italianos" e "o entusiasmo" dos produtores brasileiros intencionados a desembarcar na próxima edição do evento em Verona.

No pavilhão tricolor da feira, que se encerra amanhã (14), há mais de duas dezenas de operadores, representando dezenas de etiquetas e variedades, das quais 13 no estande organizado pela Italian Trade Agency (ICE/ITA).

Um fluxo que se explica também pelo crescimento de "4,4% da importação de vinho italiano entre janeiro e agosto, em relação ao mesmo período de 2022", com um volume de negócios passado de "US$ 23,5 a US$ 24,6 milhões", destacou Ferdinando Fiore, comandante do escritório ICE/ITA no Brasil.

"Acreditamos que também no vinho haja todos os pressupostos para desenvolvimentos futuros", observam o diretor de Vinitaly Gianni Bruno, e o membro do conselho de administração de Milanez & Milaneze, parceira de Veronafiere, Alessandro Giolai.

A respeito disso, vale lembrar que o Brasil é o quarto mercado para os italianos nas Américas, depois dos Estados Unidos, Canadá e México.

E a Itália aparece como quarto fornecedor, com uma cota de 7%, atrás de Chile, Argentina e Portugal.

"Em termos de valores, são quase US$ 37 milhões comprados pelos brasileiros, ou seja, cerca de 8% do total importado", acrescenta Fiore.

Mas agora também os produtores da Serra Gaúcha do Rio Grande do Sul, a capital da uva e do vinho do Brasil, destino da grande imigração italiana no século 19, que aqui implantou o cultivo das vinhas, e onde se fala o "'talian", o antigo dialeto vêneto, têm intenções de tornar conhecida suas variedades na Itália. E avaliam uma participação à próxima edição do Vinitaly.

Um resultado devido também ao grande trabalho do cônsul-geral de Porto Alegre, Valerio Caruso, que desde sua chegada - um ano atrás - se dedicou ao restabelecimento dos laços com o território. E que valorizou ainda mais a participação italiana da Wine South America com uma importante iniciativa de proximidade com as autoridades e as comunidades empresariais locais.

"Estamos orgulhosos que no berço de uma histórica e fortíssima comunidade ítalo-descendente seja possível fazer um trabalho em equipe tão importante com o sistema Itália, reforçando as excelências italianas e promovendo as gaúchas", observa o cônsul.

Uma tendência que Vinitaly vê com bons olhos. "Na última edição do evento em Verona tivemos cerca de 33 mil operadores de 134 países. A maior parte vai para a Itália, que tem 95% dos expositores, mas vemos uma nova atenção para os vinhos estrangeiros. E os brasileiros que virão terão vantagem, justamente porque são uma proposta alternativa", destaca Bruno.

Por outro lado, os operadores italianos destacam como o mercado brasileiro apresenta alguns desafios e pontos críticos.

A principal dificuldade são os deveres. Especialmente, para quem decide não se apoiar nas "trade" ou "comex" brasileiras, o custo da partida da Itália ao importador pode subir até 152%.

E entre os principais pólos de atração para os vinhos tricolores estão as praças de São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais, mas não faltam ideias novas e contínuas, impulsionadas também pelos setores turístico e enogastronômico do país.
   
   

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Veja também

Ou use

Último momento

404 Not Found

404 Not Found


nginx