Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

Mudanças climáticas ameaçam 90% das regiões vinícolas da Itália

Estudo vê riscos para 70% das áreas produtoras no mundo

ROMA, 01 abril 2024, 14:16

Redação ANSA

ANSACheck

Colheita da uva em Dunesforde Vineyard em Yorkshire © ANSA/EPA

(ANSA) - Caso as temperaturas globais aumentem acima de dois graus até o final do século, até 70% das regiões produtoras de vinho no mundo podem ser colocadas em risco. Na Itália, especialmente, até 90% das zonas produtoras podem desaparecer nas planícies e zonas costeiras por causa das secas e frequentes ondas de calor.

A informação é de um estudo publicado na revista Nature Reviews Earth & Environment, realizado por um grupo francês de pesquisa da Universidade de Bordeaux.

Atualmente, as principais regiões vinícolas estão em latitudes médias, como na Itália, no norte da Espanha, no sul da França e na Califórnia, nos EUA, mas o aquecimento global está redesenhando rapidamente a geografia mundial da produção de vinho, condicionando a quantidade e a qualidade das uvas produzidas.

Para entender como a situação pode evoluir no futuro, os pesquisadores subdividiram cada continente e suas relativas áreas de produção vinícola em macrorregiões definidas por condições climáticas específicas.

Assim, estimaram que, a depender do aquecimento global, entre 49% e 70 das regiões correm o risco de perder as condições para a viticultura.

Entre elas, 29% podem experimentar condições climáticas extremas, como ondas de calor e secas excessivas, impedindo a produção de vinho de alta qualidade.

Por outro lado, entre 11% e 25% das atuais regiões vinícolas poderiam registrar um aumento da produção (caso de Washington, nos EUA, e do norte da França), enquanto novas áreas idônea à viticultura poderiam emergir, como no sul do Reino Unido.   
   

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Veja também

Ou use

Último momento

404 Not Found

404 Not Found


nginx