/ricerca/brasil/search.shtml?any=
Mostre menos

Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

Itália quer eliminar uso de carvão em 2024

ROMA, 05 junho 2023, 09:58

Redação ANSA

ANSACheck

Protesto em Roma contra uso de combustíveis fósseis - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

(ANSA) - O ministro do Meio Ambiente e da Segurança Energética da Itália, Gilberto Pichetto, disse nesta segunda-feira (5) que o país pode abandonar o uso de carvão já a partir de 2024.

A declaração foi dada em um festival ecológico em Roma por ocasião do Dia Mundial do Meio Ambiente, celebrado anualmente em 5 de junho.

"Hoje estamos com o carvão, o petróleo e o gás. A intenção é abandonar o carvão em 2025 ou até antes, espero conseguir em 2024, se os preços do gás não subirem", declarou o ministro.

De acordo com Pichetto, o passo seguinte será eliminar o uso do petróleo. O último será o gás natural, que, segundo o ministro, "deve ser o vetor de acompanhamento rumo à redução" dos combustíveis fósseis.

No entanto, Pichetto alertou que, "muito provavelmente", a Itália não conseguirá se livrar da energia suja apenas com as fontes renováveis, sem recorrer às usinas nucleares, que foram fechadas em 1990.

Desde o início da guerra na Ucrânia, vem ganhando força no país o debate sobre a reabertura das usinas atômicas, uma vez que esse tipo de energia tem baixa pegada de carbono. (ANSA)

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Ou use