/ricerca/brasil/search.shtml?any=
Mostre menos

Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

Destruição da Amazônia reduziu sob governo Lula, diz ONG

Estudo foi divulgado por ocasião do 'Dia das Florestas Tropicais'

ROMA, 21 junho 2023, 15:34

Redação ANSA

ANSACheck

Informação foi divulgada por ocasião do 'Dia Mundial das Florestas Tropicais ' - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

(ANSA) - A Organização WWF Itália anunciou nesta quarta-feira (21) que, desde que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva assumiu o cargo de seu antecessor Jair Bolsonaro no início de 2023, a destruição da floresta amazônica diminuiu drasticamente: de 3.988 km² nos primeiros seis meses de 2022 para 288 km² nos seis meses iniciais de 2023.

A informação foi divulgada por ocasião do "Dia Mundial das Florestas Tropicais", que será celebrado nesta quinta (22).

Segundo os dados do Instituto Brasileiro de Pesquisas Espaciais (INPE), desde o início do governo Bolsonaro (2019-2023), o desmatamento na Amazônia aumentou 34%, e mais 75% em 2022, quando durante os primeiros seis meses, 3.988 km² de floresta amazônica foram destruídos - uma área três vezes maior que a de Roma.

"Simultaneamente ao aumento da desflorestação, houve também um crescimento dramático dos incêndios, muitas vezes iniciados ilegalmente para incentivar a expansão da agricultura industrial com plantações e pastagens, mas também do setor extrativo com infraestruturas e minas", explica a ONG italiana.

No entanto, a partir deste ano, com a chegada de Lula ao poder, a destruição da floresta totalizou cerca de 288 km² em abril, a terceira menor registrada em muitos anos e com clara queda em relação ao mesmo mês do ano anterior (1.026,35 km²), conforme dados do INPE.

De acordo com WWF Itália, uma área de floresta do tamanho de sete campos de futebol desaparece a cada 15 segundos devido à crescente demanda por madeira preciosa ou áreas convertidas em pastagens ou plantações de soja.
   

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Veja também

Ou use