/ricerca/brasil/search.shtml?any=
Mostre menos

Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

Suíça promete doações ao Fundo Amazônia

Valores, no entanto, ainda não foram divulgados

SÃO PAULO, 06 julho 2023, 10:15

Redação ANSA

ANSACheck

Vista aérea da Floresta Amazônica © ANSA/EPA

(ANSA) - A Suíça se comprometeu a realizar doações para o Fundo Amazônia, instrumento reativado pelo governo de Luiz Inácio Lula da Silva para a proteção da maior floresta tropical do planeta.

O anúncio foi feito pelo chefe do Departamento de Economia, Educação e Pesquisa do país alpino, Guy Parmelin, durante um fórum de investimentos entre os dois países em Brasília.

Parmelin garantiu que as doações começarão nas próximas semanas, mas ainda não antecipou os valores.

"Recebemos com entusiasmo as perspectivas de doação, por parte da Suíça, de recursos para o Fundo Amazônia", escreveu no Twitter o vice-presidente e ministro do Desenvolvimento, Geraldo Alckmin.

Criado em 2008, o Fundo Amazônia era financiado inicialmente por Alemanha e Noruega e foi paralisado durante o governo de Jair Bolsonaro. Após sua reativação, Estados Unidos, União Europeia e Reino Unido prometeram se juntar ao mecanismo. (ANSA)

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Veja também

Ou use