/ricerca/brasil/search.shtml?any=
Mostre menos

Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

Nasa confirma que julho foi o mês mais quente já registrado

Temperatura global foi a maior desde o início da série histórica

WASHINGTON, 16 agosto 2023, 13:50

Redação ANSA

ANSACheck

Mapa com as anomalias da temperatura global em julho de 2023, em relação a 1951 e 1980 (Foto: NASA 's Goddard Institute for Space Studies) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

(ANSA) - A Nasa informou nesta quarta-feira (16) que julho de 2023 foi o mês mais quente já registrado globalmente desde 1880, quando começou a série histórica da agência.

A temperatura registrada ficou 0,24ºC acima da máxima anterior, que também ocorreu em um mês de julho.

Os dados da agência espacial norte-americana se somam a recordes aferidos pelo Copernicus, Programa de Observação da Terra da União Europeia; e pelo Poder Executivo da União Europeia para o mesmo período.

Um relatório do Instituto Goddard para Estudos Espaciais (Giss) da Nasa creditou o recorde principalmente às temperaturas muito elevadas atingidas na superfície dos mares, especialmente no Pacífico, por causa do fenômeno El Niño.

Segundo especialistas, o El Niño ainda sequer atingiu o pico, o que só acontecerá entre fevereiro e abril de 2024.

"Não foi só a temperatura mais alta para um mês de julho, foi o mês mais quente já registrado. A ciência é clara ao mostrar que não é um fenômeno normal: o aquecimento alarmante que acontece no mundo todo é liderado principalmente pelas emissões de gases do efeito estufa", disse Gavin Schmidt, diretor do Giss.

O Mediterrâneo e algumas áreas da América do Sul, norte da África, América do Norte e até da Antártida puxaram os índices para cima, com temperaturas até 4ºC acima da média.

Os números analisados foram obtidos a partir de dezenas de milhares de estações meteorológicas que medem a temperatura do ar, e de embarcações e boias que medem a temperatura da superfície das águas.
   

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Veja também

Ou use