/ricerca/brasil/search.shtml?any=
Mostre menos

Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

Período de junho a agosto é o mais quente já registrado

Dados são do serviço Copernicus, da União Europeia

ROMA, 06 setembro 2023, 12:45

Redação ANSA

ANSACheck

Turistas se refrescam de onda de calor em Roma, em julho de 2023 - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

(ANSA) - O período entre os meses de junho, julho e agosto de 2023 foi o mais quente já registrado na história da humanidade, com uma temperatura média de 16,77ºC, o que significa 0,66ºC acima do padrão para essa época do ano.

Os números foram divulgados nesta quarta-feira (6) pelo Copernicus, serviço de observação da Terra da União Europeia.

Estima-se que o mês de agosto tenha sido 1,5ºC mais quente que a média do período pré-industrial, valor estabelecido como teto de aquecimento pelo Acordo de Paris.

"Com o agosto mais quente, após os meses mais quentes de julho e junho, 2023 continua a bater recordes de temperatura global, levando o verão boreal de 2023 a ser o mais quente já registrado em nossos dados, que começam em 1940", disse Samantha Burgess, vice-diretora do Serviço de Mudanças Climáticas do Copernicus.

"2023 está atualmente em segundo lugar entre os anos mais quentes, a apenas 0,01ºC de 2016 [ano recordista], faltando ainda mais quatro meses para o fim do ano", acrescentou.

Segundo ela, as provas científicas da crise climática são "esmagadoras". "Continuaremos assistindo a novos recordes climáticos e a eventos meteorológicos extremos mais intensos e frequentes", afirmou Burgess.

Já o secretário-geral da ONU, António Guterres, disse que os dados mostram que o "colapso climático começou". "Nosso clima está implodindo mais rápido do que podemos suportar", ressaltou. (ANSA)

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Veja também

Ou use