/ricerca/brasil/search.shtml?any=
Mostre menos

Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

ANSA/Rio quer ajuda do G20 para criar universidade do clima

Capital fluminense deseja formar governança de qualidade

RIO DE JANEIRO, 21 janeiro 2024, 13:32

Redação ANSA

ANSACheck

Vista aérea do Rio de Janeiro - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

Capital da presidência brasileira no G20 - com a cúpula de líderes em novembro e inúmeras reuniões importantes, a começar pela de chanceleres em fevereiro -, o Rio de Janeiro quer se tornar sede de uma universidade sobre mudanças climáticas, de olho na contribuição dos países mais ricos, com o objetivo de formar as próximas gerações.

A secretária municipal de Meio Ambiente e Clima, Tainá de Paula, figura de destaque no cenário intelectual brasileiro, afrodescendente que cresceu nas favelas, mãe e feminista, explicou o projeto em entrevista à ANSA. Segundo De Paula, a iniciativa exige um investimento de cerca de R$ 3,5 milhões por ano. "Qual é o custo que países como França, Itália e tantos outros do Norte Global teriam para financiar uma universidade para 400 jovens terem acesso a informação e governança climática de qualidade?", questiona a secretária, acrescentando que o projeto já existe, mas "falta o dinheiro" para realizá-lo.

Para ela, é importante enviar jovens para estudar em países desenvolvidos, mas sem prescindir da criação de conhecimento em nível local.

Um exemplo prático dessa abordagem é a iniciativa Jovens Negociadores pelo Clima, que escolheu 50 representantes entre mais de 500 inscritos para serem interlocutores dos governos e da sociedade civil no G20 do Rio e desempenhar um papel de destaque nas discussões sobre o clima.

Para evitar que o debate se reduza a "uma discussão entre chefes de Estado que não querem repactuar absolutamente nada" e para obter resultados, afirma a expoente carioca, é importante incluir jovens que possam estar em pé de igualdade nessas conversas.

Mas entre os objetivos da cidade governada pelo prefeito progressista Eduardo Paes, única no mundo a abrigar uma floresta tropical dentro de seus limites urbanos (o Parque Nacional da Tijuca, que se estende por 33 quilômetros quadrados), está também o de fortalecer seu "fundo ambiental".

O gasto estimado para adaptar o Rio de Janeiro às mudanças climáticas é de R$ 140 bilhões nos próximos cinco anos, enquanto o orçamento anual do município é de R$ 42 bilhões. Para De Paula, também neste caso o financiamento deveria vir dos países mais desenvolvidos. "O norte global continua não querendo assumir a responsabilidade pela adaptação das cidades do sul global", diz.

Sem dinheiro, segundo a responsável pelo clima da capital fluminense, qualquer discussão sobre adaptação "perde fôlego". O que o Rio precisa para poder imaginar subúrbios e favelas "sem as enchentes e deslizamentos de terra que a gente vê todos os anos" são recursos. (ANSA)

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Veja também

Ou use