Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

Alzheimer 'desliga' células estreladas do cérebro, diz estudo

Descoberta italiana pode ajudar em novos tratamentos

MILÃO, 29 abril 2023, 14:12

Redação ANSA

ANSACheck

Estudo italiano quer ajudar na detecção precoce da doença - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

(ANSA) - Um estudo italiano verificou, em testes de laboratório com ratos, que o Alzheimer reduz a ativações dos astrócitos, também conhecidos como "células estreladas", do córtex cerebral, o que compromete a plasticidade das conexões entre os neurônios - fenômenos fundamentais para os processos de memória e aprendizagem.

A pesquisa foi conduzida por um grupo de especialistas do Instituto de Neurociências do Conselho Nacional de Pesquisas de Pádua e Pisa (CNR-IN) e do Departamento de Ciências Biomédicas da Universidade de Pádua. Os resultados, publicados na revista científica "Nature Communications", podem ajudar no diagnóstico precoce da doença e no desenvolvimento de novos tratamentos focados.

"Até hoje, a pesquisa estava concentrada principalmente nas disfunções nos neurônios, mas numerosos estudos haviam evidenciado a importância dos astrócitos, células que interagem de maneira contínua e dinâmica com os neurônios para um correto funcionamento do cérebro", explica a pesquisadora do CNR-IN e autora do estudo, Micaela Zonta.

Segundo a especialista, no projeto desenvolvido pelos italianos, "detectamos uma redução na ativação dos astrócitos no córtex cerebral responsável por receber estímulos sensoriais".

"Esse defeito compromete a plasticidade sináptica neuronal, um fenômeno que está na base dos processo de memória e de aprendizagem. Assim exploramos a capacidade da memória sensorial desses animais, revelando que eles não estavam aptos em manter na memória o reconhecimento de um objeto conhecido com a exploração tátil", acrescenta.

O estudo demonstrou que esse déficit foi causado pela diminuição de uma particular proteína, chamada Stim1.

Introduzindo a produção dela nos astrócitos, foi obtida "uma completa reativação do seu sinal e a recuperação da plasticidade sináptica".

"Esse resultado é importante porque propõe um novo mecanismo sobre o qual pode-se agir para combater a progressão dos sintomas cognitivos", conclui a pesquisadora.
   

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Veja também

Ou use

Último momento

404 Not Found

404 Not Found


nginx