/ricerca/brasil/search.shtml?any=
Mostre menos

Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

Antepassado do ser humano conviveu com dinossauros, diz estudo

Primatas e dinossauros foram separados por queda do meteoro

ROMA, 10 julho 2023, 14:31

Redação ANSA

ANSACheck

Meteoro causou a extinção em massa dos dinossauros © ANSA/Reprodução/Twitter

(ANSA) - Antepassados do ser humano moderno e os dinossauros conviveram no planeta Terra por um breve período, mas foram separados pela famosa queda de um asteroide 66 milhões de anos atrás.

Após o fenômeno, os primatas sobreviveram, enquanto os dinossauros foram extintos em massa.

A conclusão é de um estudo publicado na revista Current Biology, conduzido pela britânica Universidade de Bristol, que buscou responder antigas perguntas sobre a origem dos mamíferos placentários, ou seja, todos os animais dotados da placenta que nutre o embrião, cujos fósseis mais antigos também datam de 66 milhões de anos atrás.

O pesquisador italiano Daniele Silvestro, da Universidade de Friburgo, na Suíça, e integrante do trabalho, falou à ANSA sobre o estudo. "O modelo estatístico que desenvolvemos e implementamos calcula a probabilidade de que um grupo de organismos tenha origem anterior ao mais antigo fóssil conhecido daquele grupo", explicou.

"A ideia se baseia no fato de que é quase impossível que justamente a primeira espécie de um grupo, por exemplo o primeiro primata, tenha registro fóssil, considerando que a grande maioria das espécies não deixa nenhum rastro", acrescentou.

O debate sobre se os mamíferos placentários conviveram com os dinossauros ou se evoluíram só depois da extinção é antigo entre os pesquisadores: a idade dos fósseis sugere que o grupo evoluiu após o asteroide.

No entanto, os dados moleculares contrastam com essa hipótese, indicando uma idade maior para os antepassados do homem.

"Os resultados do estudo mostram que os primatas, assim como os lagomorfos (coelhos e lebres), carnívoros (entre os quais cães, ursos e felinos) e os da ordem Eulipotyphla (que inclui ouriços e toupeiras), evoluíram antes da extinção em massa do Cretáceo-Paleógeno, mas se aceleraram após a extinção dos dinossauros, provavelmente graças à diminuição da concorrência com eles", concluiu Silvestro.
   

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Veja também

Ou use