Nave que viaja para Lua tem comunicação interrompida com Terra

Foguete com 1º módulo de pouso privado decolou nesta manhã

Missão decolou de base na Flórida (foto: EPA)
Missão decolou de base na Flórida (foto: EPA)

(ANSA) - A missão Cert-1, que pela primeira vez pretende levar um veículo construído por uma empresa privada à Lua, foi lançada nesta segunda-feira (8) na Flórida, mas já teve a comunicação interrompida repentinamente com o centro de controle na Terra.

A sonda Peregrine foi construída pela start-up Astrobotic, com o apoio da agência especial norte-americana (Nasa) e de sete países, no âmbito do programa Artemis de retorno à Lua após mais de 50 anos.

O lançamento ocorreu a partir da plataforma 41 da Estação da Força Espacial do Cabo Canaveral, base do Departamento de Defesa dos Estados Unidos, com o foguete Vulcan, que registrou seu primeiro voo e também foi construído por uma empresa privada, a United Launch Alliance.

No entanto, a Astrobotic anunciou que detectou uma anomalia no sistema de propulsão da Peregrine, provavelmente causando a instabilidade do sistema. "Se este problema for confirmado, poderá comprometer a capacidade do veículo de fazer um pouso suave na Lua", acrescenta.

Com quase 62 metros de altura e 5,4 metros de diâmetro, o foguete tem dois motores, chamados Be-4 e construídos pela Blue Origin, e é movido a metano líquido.

Já a sonda Peregrine, com dois metros de altura e dois metros e meio de largura, pode transportar cargas de 90 quilos. Ao todo, foram colocadas 21 cargas a bordo que pertencem aos sete países participantes da missão: Estados Unidos (14), México (1), Reino Unido (1), Hungria (1), Alemanha (2), Japão (1) e Seychelles (1).

Algumas delas têm um valor simbólico, como a moeda dedicada à Lua carregada com um bitcoin e a cópia do Genesis Block, o primeiro bloco de bitcoin a ser extraído. As obras do projeto MoonArk da Carnegie Mellon University e duas nanolitografias do artista italiano Alessandro Scali, posicionadas em dois chips, são dedicadas à arte.

Por fim, existem cápsulas que contêm cinzas humanas por iniciativa da empresa Celestis e Elysium Space. Esta carga, no entanto, suscitaram protestos dos indígenas Navajo dos EUA, que veem a deposição de restos mortais humanos na Lua como uma violação de um espaço sagrado.

A previsão é de que a sonda Peregrine pouse na Lua no dia 23 de fevereiro. Se isso ocorrer, o módulo da Astrobotic poderá tornar-se a primeira empresa a conseguir esse feito desde a última missão do programa Apollo, em 1972.

Enquanto a missão Cert-1 voa em direção à Lua, o rover japonês Slim já está em órbita lunar e deverá realizar um pouso de precisão sem precedentes em 19 de janeiro.

Além disso, depois de adiar o lançamento da sua missão Im-1 de janeiro para 12 de fevereiro, no mínimo, a empresa privada Intuitive Machine pretende levar o seu módulo de aterragem Nova-C ao solo lunar no dia 22 de fevereiro. (ANSA).