/ricerca/brasil/search.shtml?any=
Mostre menos

Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

Pompeia reforma 'carruagem de noiva' de 2 mil anos

Peça foi achada em 2021 e restaurada em operação sem precedentes

POMPEIA, 29 abril 2023, 10:52

Redação ANSA

ANSACheck

'Carruagem da Noiva ' foi encontrada em 2021 - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

Abraços voluptuosos e roubados, violência e prazer se misturam, como eros e pathos.

Restaurada em cada uma de suas partes - em uma operação sem precedentes - volta à vida após dois mil anos a "carruagem da noiva" encontrada em 2021 no Parque Arqueológico de Pompeia, no pórtico da vila de Civita Giuliana, a mesma onde apareceram os corpos de dois fugitivos. A restauração foi documentada de maneira exclusiva pela ANSA.

"Um trabalho extraordinário que recupera um artefato único no mundo", destaca o diretor-geral dos Museus do Ministério da Cultura, Massimo Osanna, que apresentará a peça ao público na mostra "O instante e a eternidade" que será inaugurada em Roma no próximo dia 4 de maio nas Termas de Diocleziano.

Já o ministro da Cultura, Gennaro Sangiuliano, afirmou que essa é uma "pérola que demonstra a unicidade do nosso patrimônio" e que também é uma "coroação de um esforço que viu atuar juntos o Parque Arqueológico de Pompeia, a Procuradoria da República de Torre Anunziata e os carabineiros do Comando para a Tutela do Patrimônio Cultural".

Escapando por um fio de cabelo dos ladrões de túmulos, que procuravam por essa peça há anos e que quase a encontraram escavando túneis próximos à luxuosa vila na entrada de Pompeia, essa carruagem chamada de "pilentum" pelos romanos, era conhecida por conta das imagens vistas em mosaicos e baixos-relevos e também pelas histórias mostradas nas fontes antigas. Lívio, Virgílio, Claudiano falavam sobre ela e a associavam aos cultos femininos e descreviam seu esplendor e conforto.

A restauração, após uma delicada escavação, levou cerca de um ano e precisou usar telescópios manuais, em uma equipe liderada pelo time de Emiliano Africano.

"É mais do que uma carruagem luxuosa. Um veículo reluzente de bronze e prata, que encanta. E é incrível que Pompeia tenha essa capacidade de paralisar o tempo por um momento", destaca ainda Osanna.

E, apesar do uso inevitável de itens modernos, como a madeira nova utilizada no local daquela que acabou sendo destruída pela passagem o tempo, além de elementos de conexão para manter as partes que faltava, ela ainda tem os detalhes de uma máquina de dois mil anos atrás, com sua complexidade e delicadeza.

Sem falar do baú de lenha pintado - bastante estreito - e literalmente coberto de metais reluzentes, de grandes e pequenos medalhões com cenas eróticas muito cruas, imagens de amor e figuras femininas, uma miríade de decorações refinadas e, às vezes, microscópicas espalhadas por toda parte, desde o fundo de bronze até as pinhas que arrematavam as pontas dos cubos.

Tudo foi restaurado em um trabalho artesanal refinado, incluindo as bobinas de ferro onde se enrolavam as cordas - que se imagina sustentavam o corpo da carruagem um pouco como um berço, de modo a oferecer aos que nela viajavam o conforto de um andar calmo.

E depois o encosto do assento do qual hoje só resta o esqueleto de ferro, mas que é fácil imaginar forrado de couro e almofadas confortáveis, com dois braços para facilitar a vida da noiva e de seus acompanhantes. "Quem sabe, ali sentava a mãe da noiva", especula Osanna, destacando que o banco aparenta ser para duas pessoas.

Uma carruagem semelhante a esta, ressalta o diretor, foi encontrada na Grécia, na antiga Trácia, em um túmulo que pertenceu a uma família de alto escalão.

"Nesse caso, porém, optou-se por deixá-lo no monte sem restaurá-lo ou remontar", pontua ainda.

Isso também torna a operação do parque de Pompeia extraordinária: é a primeira vez no mundo que um pilentum é reconstruído e estudado em todos os seus detalhes.

Os restauros que tornaram legíveis as decorações, trazendo à luz centenas de detalhes, confirmam a ligação deste carro alegórico com o mundo feminino e com os casamentos. "Agora precisamos trabalhar na iconografia dos medalhões e depoisno sistema de movimentação da carruagem", explicou ainda Osanna.

Ludovica Alesse e Paola Sabbatucci, restauradoras do parque de Pompeia, supervisionam cuidadosamente o trabalho de montagem e ressaltam que estavam lá "quando a carruagem saiu e os vestígios de cordas, tecidos e madeira ainda eram evidentes nas cinzas" - incluindo a marca das duas espigas de milho deixadas no assento.

A poucos metros dali, no grande estábulo, foram encontrados os restos dos cavalos, inclusive uma espécie de manta ainda enfeitada. As escavações, assim como os estudos, continuam.
   

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Veja também

Ou use