/ricerca/brasil/search.shtml?any=
Mostre menos

Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

Abaixo-assinado pede que Irã seja excluído da Bienal de Veneza

Texto fala em nome de 'dissidentes' e 'povo iraniano perseguido'

ROMA, 28 fevereiro 2024, 15:22

Redação ANSA

ANSACheck

Protesto do movimento Woman, Life, Freedom em Berlim © ANSA/EPA

(ANSA) - Os movimentos “Woman, Life, Freedom” na Europa e na Itália enviaram nesta quarta-feira (28) um abaixo-assinado pedindo que a Bienal de Arte de Veneza cancele a participação do Irã no evento que acontece entre 20 de abril e 24 de novembro.

O apelo, firmado por diversas personalidades dos universos da arte e da cultura, foi entregue ao presidente da Bienal, Roberto Cicutto; ao diretor-geral, Andrea Del Mercato; aos integrantes do Conselho de Administração do evento e à premiê da Itália, Giorgia Meloni; além do chanceler e vice-premiê Antonio Tajani; do ministro da Cultura, Gennaro Sangiuliano; do prefeito de Veneza, Luigi Brugnaro, entre outras autoridades.

“É com grande choque e lamento que apreendemos do site da Bienal que, diferentemente do que foi anunciado em outubro, a República Islâmica do Irã estará presente com um curador e um artista escolhidos pelo regime iraniano”, dizem as organizações.

Em nome “dos artistas dissidentes e independentes, e do povo iraniano perseguido”, elas pedem que seja dado “um sinal forte e claro à comunidade internacional, com uma voz de autoridade que cancele a participação do Irã”.

O movimento “Woman, Life, Freedom” foi criado após a morte, em custódia, em setembro de 2022, de Mahsa Amini, jovem iraniano-curda presa por suposta violação da lei iraniana sobre o uso do véu.

Nesta terça-feira (27), artistas e ativistas também pediram a exclusão do pavilhão de Israel, mas o ministro da Cultura Genaro Sangiuliano descartou a possibilidade.

Resposta

Posteriormente, a Bienal de Veneza afirmou que todos os países reconhecidos pela Itália podem, em total autonomia, requerer a participação.

A organização disse que, consequentemente, “não pode levar em consideração nenhuma petição ou pedido para excluir a presença de Israel ou do Irã”.

A Bienal também esclareceu que, mais uma vez, a próxima edição não terá a participação da Rússia, e disse que artistas palestinos participarão.


   

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Veja também

Ou use