Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

Roma comemora 150 anos do Impressionismo com exposição

Degas, Manet, Renoir e De Nittis são destaques

ROMA, 01 abril 2024, 15:08

Redação ANSA

ANSACheck

Pintura do impressionista Renoir - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

(ANSA) - Entre 30 de março e 28 de julho, Roma abriga a exposição “Impressionistas - A Alba da Modernidade”, uma mostra antológica que celebra o movimento artístico criado há 150 anos.

Foram reunidas no Museu Histórico da Infantaria mais de 160 obras de 66 artistas, com destaque para Degas, Manet, Renoir e De Nittis.

“É uma exposição com um cunho especial, inédito, realizada especialmente para este local”, explicou Vincenzo Sanfo, membro do comitê científico que realiza a mostra.

Dividida em três seções, ela abraça um arco temporal desde o início do século 19, com obras de Ingres, Corot, Delcroix e Doré, todas provenientes de coleções particulares italianas e francesas; passando pelos herdeiros Toulouse-Lautrec, Permeke, Derain, Dufy e Vlamininck; e concluindo-se em 1968 com uma gravura de Pablo Picasso, homenageando Degas e Desboutin.

Ao lado de obras de grandes protagonistas como Pissarro, Degas, Cézanne, Sisley, Monet, Morisot e Renoir destacam-se também telas de artistas menos conhecidos, como Bracquemond, Forain, Lepic, Millet e Firmin-Girad.

Entre os principais focos estão o desenho, as incisões e as técnicas de impressão, influenciadas pelo advento da fotografia.

“Os impressionistas abandonam a pintura acadêmica dos grandes quadros históricos e começam a retratar uns aos outros ou a imortalizar momentos da vida cotidiana. Têm uma visão da pintura muito menos formal”, disse Gilles Chazal, do mesmo comitê organizador.

A mesma ótica aparece na coleção de livros, cartas e objetos pessoais em exposição, como uma chaleira de Monet.

“O impressionismo não é um movimento, mas uma condição humana, que nasce quando a pintura da realidade é derrotada pela invenção da fotografia. É a vida, a possibilidade de representar estados de ânimo. É feita para nos dizer o que a realidade nos provoca lá dentro. Por isso não acabará nunca”, avalia o crítico de arte Vittorio Sgarbi, que lidera a mostra.

 
   

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Veja também

Ou use

Último momento

404 Not Found

404 Not Found


nginx