/ricerca/brasil/search.shtml?any=
Mostre menos

Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

Justiça da França nega pedido para devolver 'Mona Lisa' à Itália

Tribunal ainda multou associação que fez pedido

PARIS, 14 de maio de 2024, 15:56

Redação ANSA

ANSACheck

'Mona Lisa ' seguirá no Louvre - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

O Conselho de Estado da França, mais alto tribunal administrativo do país, rejeitou nesta terça-feira (14) um pedido feito pela misteriosa associação International Restitutions para que a "Mona Lisa", obra-prima de Leonardo Da Vinci, fosse devolvida pela França à Itália.
    A decisão confirma a permanência da pintura no mesmo lugar onde está há 227 anos, o Museu do Louvre, em Paris.
    Os magistrados refutaram a tese de que o quadro teria sido apropriado indevidamente pelo rei Francisco I em 1519.
    A instituição, que não revelou onde está sediada e nem por quem é composta e comandada, ainda terá que pagar 3 mil euros (R$ 16 mil) por "demanda temerária".
    Um dos motivos para a rejeição foi o fato de a International Restitutions ter afirmado agir em nome dos "descendentes do herdeiro do pintor".
    No entanto, a Leonardo Da Vinci Heritage, que representa os 14 familiares vivos do mestre mapeados por pesquisadores genealógicos, negou envolvimento e classificou o pedido como absurdo.
    Para os juízes franceses, qualquer hipotético direito caberia apenas a eles. Além disso, afirmaram que uma instituição republicana atual não pode ser chamada a se pronunciar sobre questões que remontam a tempos tão anteriores.
    Na ação a organização sustentou que o soberano francês se valeu de uma lei do século 16 que fazia com que os bens de estrangeiros mortos sem filhos fossem herdados pela coroa, dizendo que a prática seria incompatível com as normas atuais.
    A versão oficial do Museu do Louvre, porém, informa que o monarca comprou a pintura diretamente de Leonardo em 1518.
    A mesma associação já fez pedidos semelhantes sobre outras obras de menos valor histórico, mas nenhum processo foi adiante.
   
   

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Veja também

Ou use