/ricerca/brasil/search.shtml?any=
Mostre menos

Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

Acordo UE-Mercosul é oportunidade única, diz vice da Comissão

Pacto é também oportunidade contra China, acrescenta

BRUXELAS, 20 março 2023, 18:33

Redação ANSA

ANSACheck

Dombrovskis falou ao Parlamento sobre importância de acordo © ANSA/EPA

(ANSA) - O acordo comercial entre a União Europeia e o Mercosul é uma "oportunidade única" também contra o domínio da China, afirmou nesta segunda-feira (20) o vice-presidente da Comissão, Valdis Dombrovskis, durante uma sessão do Parlamento.

"Ele poderia facilitar uma ação conjunta sobre os principais desafios globais e contribuiria para combater a crescente presença da China na região. Temos uma oportunidade única de levar finalmente adiante o acordo UE-Mercosul", disse aos eurodeputados.

Citando o encontro que ocorrerá entre ambos os lados em julho, chamando a reunião de "oportunidade perfeita", Dombrovskis afirmou que esse pode ser "o acordo mais importante não concluído da UE até hoje" com uma região em contínuo crescimento e com "valor geopolítico muito claro", além de um mercado de 260 milhões de consumidores.

Ainda para o vice-presidente da Comissão, que fez diversas visitas recentes ao continente sul-americano para debater o assunto, a liberação do acordo comercial "teria um impacto positivo na sustentabilidade" com compromissos assumidos "sobre o clima, a proteção do ambiente, contra a devastação e apoiando os direitos dos trabalhadores".

Desde o início do ano, as conversas entre os lados se intensificaram e foi determinado que grupos de trabalho seguirão uma agenda de compromissos até julho deste ano.

O acordo comercial começou a ser negociado em 1999 e foi assinado no início de 2019, mas desde então está parado esperando aprovação dos parlamentos e congressos envolvidos e enfrenta vários entraves, especialmente, em temas agrícolas e ambientais.
   

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Veja também

Ou use