/ricerca/brasil/search.shtml?any=
Mostre menos

Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

Não queremos imposições da UE, diz Lula

Presidente voltou a acusar países ricos de descumprirem acordos

BRASÍLIA, 04 julho 2023, 09:45

Redação ANSA

ANSACheck

Presidente Lula disse que não aceitará que a UE coloque uma 'espada ' sobre o Mercosul © ANSA/EPA

(ANSA) - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) afirmou hoje (5), na Argentina, que está disposto a assinar um acordo entre União Europeia e Mercosul, mas que rejeita imposições com uma "espada".

"Não queremos imposições para cima de nós. É um acordo de parceiros estratégicos, então nada de um parceiro estratégico colocar a espada na cabeça do outro. Vamos sentar, tirar nossas diferenças e ver o que é bom para os europeus, o que é bom para o Mercosul e o que é bom para o Brasil", afirmou Lula em sua live semanal, desta vez na cidade argentina de Puerto Iguazù, onde assume como presidente do Mercosul pelo próximo semestre.

O mandatário fazia referência ao documento adicional sobre meio ambiente apresentado pela UE como requisito para finalizar o acordo e lembrou que discutiu esse impasse nas negociações com autoridades europeias.

"Para todos eles, eu disse que a carta é inaceitável do jeito que foi escrita. Ela era e é inaceitável. Você não pode imaginar que um parceiro comercial pode te impor condições. Acontece que os países ricos não cumprem nenhum dos acordos, eles não cumpriram o Protocolo de Kyoto, as decisões de Copenhague e o Acordo de Paris", acrescentou. (ANSA)

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Ou use