Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

Após críticas, Lula condena 'violação do território' da Ucrânia

Declaração foi dada ao lado de presidente romeno

SÃO PAULO, 18 abril 2023, 18:59

Redação ANSA

ANSACheck

Lula recebeu presidente da Romênia em Brasília © ANSA/EPA

(ANSA) - Após uma série de críticas dos Estados Unidos e da União Europeia, o presidente brasileiro, Luiz Inácio Lula da Silva, adotou um tom mais duro ao falar da guerra da Ucrânia nesta terça-feira (18).

A declaração foi dada em coletiva de imprensa ao lado do mandatário da Romênia, Klaus Werner Iohannis.

"Ao mesmo tempo em que meu governo condena a violação da integridade territorial da Ucrânia, defendemos uma solução política negociada para o conflito. Falei [com o presidente romeno] da nossa preocupação com os efeitos da guerra, que extrapolam o continente europeu", afirmou em discurso.

Lula voltou a reiterar a necessidade de negociações de paz e destacou que é preciso criar "urgentemente um grupo de países que tente sentar-se à mesa tanto com a Ucrânia como com a Rússia para encontrar a paz".

As falas de Lula na China e nos Emirados Árabes Unidos equiparando as responsabilidades de Rússia e Ucrânia na guerra e dizendo que os países ocidentais precisavam parar de enviar armas a Kiev irritaram os EUA e a UE. Na noite desta segunda-feira (17), o chanceler Mauro Vieira rebateu os norte-americanos, que chegaram a dizer que o Brasil estava "papagueando" o discurso russo.
   

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Veja também

Ou use

Último momento

404 Not Found

404 Not Found


nginx