/ricerca/brasil/search.shtml?any=
Mostre menos

Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

Viagem de Lula a Portugal causa polêmica entre parlamentares

Declarações sobre guerra na Ucrânia desagradaram políticos

LISBOA, 17 abril 2023, 10:29

Redação ANSA

ANSACheck

Lula fará discurso no Parlamento português no dia 25 © ANSA/EPA

(ANSA) - As declarações do presidente do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, sobre a guerra na Ucrânia causaram polêmica em Portugal, país para onde o líder brasileiro irá entre os dias 22 a 25 de abril, repercute a mídia local nesta segunda-feira (17).

Lula equiparou responsabilidades entre russos e ucranianos e sugeriu que o Ocidente parasse de fornecer armas para Kiev.

O vice-presidente do Partido Social-Democrático (PSD), de centro-direita, Paulo Rangel, afirmou que não se opõe ao discurso que Lula fará no Parlamento no dia 25, mas pediu que nos encontros bilaterais o governo português "tome uma posição pública e formal" de afastamento dessas declarações.

Líder do partido conservador Iniciativa Liberal, Rui Rocha, disse que o Parlamento não pode aceitar um "aliado de Putin" e lembrou que o local aplaudiu um discurso do presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, em abril do ano passado.

Já a vice-presidente da bancada parlamentar do Partido Socialista, de governo, Jamila Madeira, tentou por panos quentes na situação dizendo que Lula está buscando a paz na região e que declarações polêmicas sobre a guerra dadas por outros líderes europeus, como o presidente francês, Emmanuel Macron, não suscitaram as mesmas críticas da direita.

A visita de Lula ao Parlamento no dia 25 de abril, data que Portugal celebra a Revolução dos Cravos, que pôs fim à ditadura militar, já havia sofrido com uma outra polêmica interna. O ministro das Relações Exteriores, João Gomes Cravinho, anunciou que o presidente brasileiro faria um discurso durante a cerimônia solene para lembrar da ocasião, mas sem avisar os parlamentares.

A situação foi resolvida com Lula passando a fazer um discurso em uma outra sessão do Parlamento sobre o tema, mas não a principal.
   

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Veja também

Ou use