/ricerca/brasil/search.shtml?any=
Mostre menos

Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

Agricultores italianos cobram mudanças em acordo UE-Mercosul

Confederação citou prejuízos a setores de cítricos, arroz e aves

ROMA, 18 julho 2023, 14:12

Redação ANSA

ANSACheck

Plantação de trigo na Itália - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

(ANSA) - A Confederação Geral da Agricultura da Itália (Confagricoltura) cobrou nesta terça-feira (18) mudanças "profundas" no acordo de livre comércio entre União Europeia e Mercosul.

Segundo o presidente da entidade, Massimiliano Giansanti, o tratado assinado em 2019, mas jamais ratificado, foi negociado em um cenário "profundamente alterado" pelas consequências econômicas da pandemia de Covid-19 e pela guerra da Rússia na Ucrânia.

"A segurança alimentar e a tutela do potencial produtivo da agricultura europeia estão em primeiro plano. O acordo não pode entrar em vigor sem modificações profundas", declarou Giansanti.

O chefe da Confagricoltura diz que o texto atual é prejudicial para os setores de frutas cítricas, arroz, açúcar e aves.

"Também tem a questão de fundo da reciprocidade, ou seja, as diferenças nas regras em matéria de segurança alimentar e proteção dos recursos naturais", afirmou Giansanti.

De acordo com ele, os países do Mercosul não parecem dispostos a "adotar, por exemplo, medidas de redução do uso de agrotóxicos que a Comissão Europeia quer impor aos agricultores na UE". (ANSA)

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Veja também

Ou use