/ricerca/brasil/search.shtml?any=
Mostre menos

Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

Parlamento da Itália aprova reforma fiscal de Meloni

Projeto reduz número de alíquotas do imposto de renda

ROMA, 04 agosto 2023, 14:10

Redação ANSA

ANSACheck

Plenário da Câmara durante votação de reforma fiscal - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

(ANSA) - A reforma fiscal do governo da premiê da Itália, Giorgia Meloni, foi aprovada de forma definitiva pela Câmara dos Deputados nesta sexta-feira (4), com placar de 184 a 85.

Um dos pilares do projeto é a redução das alíquotas do imposto de renda para pessoa física (Irpef) de quatro para três, porém tendo como objetivo estabelecer uma faixa única, a chamada "flat tax", até o fim da legislatura, em 2027.

Além disso, a reforma cria um escudo penal para contribuintes envolvidos em disputas tributárias que colaborarem com as autoridades fiscais e fornece incentivos para magnatas residentes no exterior se mudarem para a Itália.

O texto também determina a gradual abolição do imposto regional sobre atividades produtivas (Irap) e reduz a carga tributária sobre o 13º salário, horas extras e prêmios de produtividade de trabalhadores.

"A aprovação da reforma fiscal representa um resultado histórico que a Itália esperava havia mais de 50 anos", disse o vice-ministro da Economia, Maurizio Leo. "Trabalhamos em todos os tipos de impostos, sem abandonar o conceito de progressividade", acrescentou.

Já Chiara Braga, líder do oposicionista Partido Democrático (PD) na Câmara, disse que a reforma "aumenta a desigualdade e reduz a progressividade, prometendo novos perdões e tirando recursos do bem-estar social, da saúde pública e de serviços essenciais". (ANSA)

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Veja também

Ou use