Itália registra nova queda na taxa de natalidade em 2023

Nº médio de filhos por mulher caiu de 1,24 em 2022 para 1,20 em 2023

Número de nascimentos caiu por mais um ano (foto: ANSA)
Número de nascimentos caiu por mais um ano (foto: ANSA)

(ANSA) - A taxa de natalidade na Itália registrou uma nova queda em 2023, com apenas 379 mil nascimentos, de acordo com dados preliminares publicados nesta sexta-feira (29) pelo Instituto Nacional de Estatística (Istat) em um relatório sobre indicadores demográficos.

Em termos absolutos, foram 14 mil nascimentos a menos do que em 2022, uma queda de 3,6%, enquanto que a taxa de natalidade caiu de 6,7 para 6,4 nascimentos por mil pessoas.

O Instituto Nacional de Estatística apontou que os nascimentos na Itália caíram 34,3% desde 2008, o último ano a registrar um aumento.

O número médio de filhos por mulher caiu de 1,24 em 2022 para 1,20 em 2023. O mínimo histórico é de 1,19 filho por mulher, registrado em 1995.

Em 1º de janeiro de 2024, a população residente era de pouco menos de 59 milhões, menos 7 mil indivíduos em relação ao ano anterior.

Os dados confirmam o abrandamento do declínio populacional, impulsionado exclusivamente pela chegada de migrantes estrangeiros na Itália.

Além disso, o ano de 2023 registrou um saldo global positivo da migração estrangeira de 274 mil indivíduos, como resultado de duas dinâmicas distintas: um saldo positivo de 326 novas chegadas de residentes estrangeiros e um total negativo de 53 mil cidadãos italianos residentes devido à emigração para o exterior.

A nível geográfico, a população residente cresceu no norte da Itália, manteve-se substancialmente estável no centro e diminuiu no sul. As mortes em 2023 caíram 54 mil em relação ao ano anterior, atingindo 661 mil indivíduos, uma queda de 8%, segundo o Istat.

Para os homens, a expectativa de vida é de 81,1 anos (+6 meses em relação a 2022), enquanto para as mulheres é de 85,2 anos (+5 meses em relação a 2022). (ANSA).