ACS Itália atesta competência de professores de universidade da illycaffè

Reconhecimento engloba docentes de sede em São Paulo

Moreno Faina, diretor da Università del Caffè (foto: divulgação) (foto: ANSA)
Moreno Faina, diretor da Università del Caffè (foto: divulgação) (foto: ANSA)

(ANSA) - Professores das 23 filiais da Università del Caffè da empresa italiana illycaffè em todo o mundo, incluindo São Paulo, receberam a certificação da ACS Itália, organismo que atesta seu nível de conhecimento e capacidade de formação.

Todos os 50 docentes da universidade da illy que fizeram o processo receberam a certificação, sendo que os de Trieste, sede da companhia, obtiveram o máximo nível de reconhecimento. "Estou orgulhosa por este resultado alcançado pelos professores da Università del Caffè, uma certificação que atesta o nível de preparação de nossos profissionais e a qualidade que garantimos com os nossos cursos", disse Cristina Scocchia, CEO da illycaffè.

"As propostas da Università del Caffè são pensadas para responder às exigências do mercado através de cursos de formação que abrangem toda a cadeia produtiva do café. Sabemos que assegurar a melhor qualidade sustentável requere uma integração eficaz de conhecimentos para todos os operadores, desde aqueles que cultivam a planta até os que preparam a xícara de café", acrescentou.

A instituição foi fundada em 1999 e já formou 345 mil pessoas em cursos voltados para profissionais de toda a cadeia produtiva, como agricultores e baristas, mas também para apaixonados por café.

"Para nós, foi estimulante e construtivo acompanhar a Università del Caffè neste projeto inovador, que atesta a uniformidade de competências e o alto padrão da illy no mundo", afirmou Massimo Dutto, diretor geral da ACS Itália.

"Com este processo, a empresa não quis permanecer autorreferencial, demonstrando e garantindo a avaliação dos seus profissionais por uma entidade terceira. A ACS Itália assegurou a concretização deste importante objetivo, que é inovador e único em nível internacional", ressaltou. (ANSA)