/ricerca/brasil/search.shtml?any=
Mostre menos

Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

Empresas de Itália e França fecham parceria para energia nuclear

Objetivo é aumentar segurança energética

ROMA, 06 março 2023, 10:33

Redação ANSA

ANSACheck

Parceria envolverá a empresa francesa EDF © ANSA/EPA

(ANSA) - Quatro empresas de Itália e França assinaram uma carta de intenções para colaborar no desenvolvimento da energia nuclear na Europa e incentivar sua difusão no continente.

O documento foi firmado pelas italianas Ansaldo Energia, Ansaldo Nucleare e Edison e pela francesa EDF e também mira "iniciar uma reflexão sobre o possível papel da energia nuclear na transição energética da Itália".

O país fechou suas usinas atômicas em 1990, mas forças políticas cobram a retomada da energia nuclear para aumentar a segurança energética nacional diante da invasão russa à Ucrânia e ter uma alternativa com baixa pegada de carbono.

"A nova energia nuclear complementa o desenvolvimento das renováveis e pode ser uma solução adequada para apoiar as metas de neutralidade de carbono até 2050, contribuindo para a independência energética do sistema europeu", disse o CEO da Edison, Nicola Monti.

"Acreditamos fortemente nessa missão e participamos ativamente de muitos projetos em vários países europeus, testemunhando o alto valor agregado que a Itália pode obter com um interesse renovado pela energia nuclear na Europa", reforçou o CEO da Ansaldo Nucleare, Riccardo Casale. (ANSA)

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Veja também

Ou use