Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

Itália abandona incentivo fiscal para jogadores estrangeiros

Projeto fazia clubes pouparem 50% em impostos sobre salários

SÃO PAULO, 29 dezembro 2023, 09:46

Redação ANSA

ANSACheck

Milan poderá ser uma das equipes mais afetadas pela decisão - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

(ANSA) - Após uma "acalorada discussão" no Conselho dos Ministros, o governo de Giorgia Meloni abandonou um projeto que estenderia os incentivos fiscais sobre os salários de novos jogadores contratados do exterior pelos clubes italianos.

Chamado de "Decreto de Crescimento", a proposta é um incentivo financeiro que permite aos times poupar 50% em impostos sobre os salários de atletas que chegam de outras nações, deixando mais fácil a competição com os valores oferecidos na Inglaterra e na Espanha.

A esperança era que o projeto fosse prorrogado até o fim de fevereiro, justamente para cobrir a próxima janela de transferências, mas o governo italiano decidiu aboli-lo a partir de 1º de janeiro de 2024.

"Não prorrogar a medida vai tornar as equipes menos competitivas, resultando em uma queda nas receitas, menos recursos a serem atribuídos às categorias de base, redução dos volumes da indústria e, portanto, menos receitas", analisou a Lega Serie A em um comunicado, acrescentando que ficou "chocada e preocupada" com a decisão.

Bancar os altíssimos salários dos jogadores é um custo relevante nos balanços financeiros das agremiações, principalmente das principais equipes do calcio. Levando isso em consideração, o senador e presidente da Lazio, Claudio Lotito, afirmou que muitos clubes "correm o risco de serem destruídos" em virtude da medida. mencionando Juventus, Milan e Roma como exemplos.

A mesma linha de pensamento foi seguida por Giorgio Furlani, CEO do Milan, que lamentou a decisão do governo italiano em relação ao assunto.

Os defensores da abolição do projeto, como é o caso da Associação Italiana de Jogadores (AIC), alegam que o "Decreto de Crescimento" era uma barreira para a evolução de jovens atletas naturais do país europeu.

O cancelamento da manutenção do projeto não era esperado pelos clubes, tanto que o ministro do Esporte, Andrea Abodi, havia se posicionado a favor da prorrogação há pouco tempo. Ainda não está muito claro o que aconteceu para essa reviravolta repentina.

Regras semelhantes de incentivos fiscais são seguidas atualmente por vários país, como Bélgica, França e Holanda.
   

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Veja também

Ou use

Último momento

404 Not Found

404 Not Found


nginx