Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

Influenciadora Chiara Ferragni recorre de multa de 1 mi de euros

Italiana foi punida em caso de venda de pandoro para caridade

ROMA, 14 fevereiro 2024, 13:19

Redação ANSA

ANSACheck

Chiara Ferragni foi multada após denúncia - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

(ANSA) - A influenciadora italiana Chiarra Ferragni entrou com um recurso no Tribunal Administrativo Regional do Lazio contra a decisão de um órgão antitruste que, em dezembro, impôs a ela uma multa de mais de 1 milhão de euros (R$ 5,33 milhões) por uma campanha de venda de pandoro para caridade.

A Codacons, principal entidade de defesa do consumidor da Itália, denunciou que a venda do doce natalino “Pink Christmas” produzido pela Balocco contou com publicidade enganosa.

O produto era propagandeado implicando que os recursos arrecadados com a venda do alimento seriam destinados ao Hospital Regina Margherita, em Turim.

No entanto, a denúncia esclareceu que a Balocco fez apenas uma doação única de 50 mil euros (R$ 266 mil, na cotação atual) meses antes da campanha.

O recurso apresentado por Ferragni não incluiu um pedido de liminar para suspender a multa. Nesse caso, deve ser agendada um audiência para discutir o mérito da questão. A sanção poderá ser mantida, anulada, ou ter o valor revisto.

No pedido, a empresa TBS Crew Srl, cuja CEO é Chiara, alega que a multa seria "ilegítima por falta de instrução e motivação".

Os advogados também afirmam que não houve "uma ponderação cuidadosa do contrato de licença, que regia a doação em questão como uma obrigação contratual imposta à Balocco".

A defesa de Ferragni alega que a Justiça não verificou se a prática foi, de fato, enganosa, argumentando que "o contrato celebrado previa expressamente uma correlação entre as vendas e a doação, sem afirmar que esta última deveria ser proporcional às vendas, e havia incluído a doação no âmbito de uma operação comercial que claramente visava as vendas e era alimentada por elas como um todo".

A equipe argumenta ainda que a força da marca “Ferragni” foi ignorada, lembrando que o público-alvo de consumidores poderia comprar o pandoro exclusivamente pela marca, e não necessariamente pela ação beneficente.

Em dezembro, após a multa, Chiara Ferragni já havia afirmado considerar a punição “injusta” e garantiu que a operação foi feita em boa fé.

 
   

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Veja também

Ou use

Último momento

404 Not Found

404 Not Found


nginx