Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

Carla Bruni confessa vício em álcool: 'Sou vista como bêbada'

Italiana também falou sobre experiência como primeira-dama da França

ROMA, 02 abril 2024, 12:36

Redação ANSA

ANSACheck

Carla Bruni durante festival de cinema - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

(ANSA) - A atriz e cantora italiana Carla Bruni, ex-primeira-dama da França, admitiu que uma de suas fragilidades é o consumo de álcool e revelou ser considerada uma "bêbada" pela própria irmã, a diretora e atriz Valeria Bruni Tedeschi.

Em entrevista irônica e ao mesmo tempo profunda que será transmitida na Rai2 na noite desta terça-feira (2), a ex-top model confessou que "sente-se usada, não representada" por sua irmã, que "só faz filmes inspirados na minha família".

"Eu sou vista como uma bêbada. Essa é uma das minhas grandes fragilidades, por que expor assim?", enfatizou.

Sobre a tendência ao vício em álcool, ela comentou que "algumas pessoas podem beber uma taça pequena de vinho e pronto", mas ela não tem limite. "O álcool é feito para quem tem moderação. Eu não tenho moderação, não nasceu comigo", admitiu.

Durante a conversa com a apresentadora Francesca Fagnani, Bruni também contou sobre sua experiência como primeira-dama da França, durante o mandato de seu esposo, o ex-presidente Nicolas Sarkozy (2007-2012).

"Foi um papel interessante, uma oportunidade única. Claro que não viveria isso todos os dias, estou feliz que acabou", destacou ela, confirmando que o fracasso de Sarkozy na reeleição foi um alívio para ela. "Eu estava realmente rezando, está muito melhor agora".

Por fim, Fagnani perguntou para Bruni se ela "ser ilegítima" repercutiu em sua vida. A italiana casou com o ex-presidente francês em 2018, após ele ter se divorciado da segunda mulher apenas quatro meses antes. Além disso, chegou a ser considerada uma "devoradora de homens", por conta de supostos amantes.

"O adultério para mim não é pecado, sou filha desse amor", disse ela. Questionada se toleraria isso no casamento, Bruni afirmou que "sim".

"Sim, eu toleraria se fosse um adultério assim...físico. Se ele se apaixonasse não, eu cortaria sua garganta", acrescentou.

A apresentadora italiana então perguntou se isso já aconteceu."Não sei, mas ele está vivo", ironizou a atriz.
   

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Ou use

Último momento

404 Not Found

404 Not Found


nginx