/ricerca/brasil/search.shtml?any=
Mostre menos

Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

Itália condena 'tentativa de golpe' no Brasil e cita reação 'branda' de Bolsonaro

Ministro Tajani participou de audiência no Parlamento

SÃO PAULO, 12 janeiro 2023, 11:29

Redação ANSA

ANSACheck

Insurreição bolsonarista em Brasília © ANSA/EPA

(ANSA) - A Itália reiterou nesta quinta-feira (12) sua condenação à insurreição promovida por apoiadores do ex-presidente Jair Bolsonaro no último domingo (8) e disse que o Brasil sofreu uma "tentativa de golpe de Estado".

As declarações foram dadas por Antonio Tajani, ministro italiano das Relações Exteriores, em audiência sobre as crises no Irã e no Brasil na Comissão de Relações Exteriores da Câmara dos Deputados.

"A Itália condena com máxima firmeza quaisquer tentativas de modificar o voto popular com a violência. Na democracia, o confronto é feito nas urnas, e não com assaltos aos palácios das instituições", disse Tajani.

Segundo ele, o mundo assistiu a um "verdadeiro ataque contra as instituições democráticas de um grande país amigo e estratégico para a região latino-americana e para os equilíbrios globais, um país que queremos que permaneça firmemente ancorado nos valores democráticos".

O governo da premiê Giorgia Meloni vinha sendo cobrado pela oposição a expressar um apoio mais claro ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva, porém Tajani destacou que a Itália condenou os eventos de domingo "imediatamente".

"A reação foi apreciada pelo próprio presidente Lula, um dos primeiros a dar um like em minhas declarações", ressaltou o ministro, garantindo que a atenção do governo italiano à crise no Brasil "foi e permanecerá altíssima".

"A situação em Brasília voltou a estar tranquila, estão em curso investigações para identificar os responsáveis pela tentativa de golpe de Estado que, por algumas horas, fez vacilar a democracia do grande país sul-americano", disse Tajani, que também é vice-premiê e coordenador do partido conservador Força Itália (FI), do ex-primeiro-ministro Silvio Berlusconi.

Reação "branda" de Bolsonaro

O ministro ainda alertou que a insurreição em Brasília também é "sinal do risco que a democracia corre quando a sociedade é dilacerada pela polarização", mencionando inclusive uma campanha eleitoral que "não economizou nas demonizações recíprocas".

Além disso, citou que Bolsonaro nunca reconheceu a vitória de Lula explicitamente e reagiu "brandamente aos fatos de domingo, muitas horas depois da invasão às instituições".

"O Brasil é uma democracia grande e forte, com um sistema de voto de vanguarda, instituições fortes, uma magistratura independente, forças armadas que demonstraram fidelidade à Constituição, meios de informação livres e uma sociedade articulada e pulsante", declarou Tajani, ressaltando que o país superou uma "dura prova" no último domingo.

De acordo com o ministro, o governo italiano está comprometido a trabalhar com a nova administração brasileira para "reforçar a parceria estratégica e defender os valores em comum". (ANSA)

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Veja também

Ou use