/ricerca/brasil/search.shtml?any=
Mostre menos

Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

Líderes de oposição criticam 'beatificação' de Berlusconi

Ex-primeiro-ministro de 86 anos morreu na última segunda-feira

ROMA, 15 junho 2023, 12:24

Redação ANSA

ANSACheck

Funeral de Silvio Berlusconi em Milão - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

(ANSA) - Representantes da oposição na Itália criticaram nesta quinta-feira (15) supostas tentativas de "beatificação" e "canonização" do ex-premiê Silvio Berlusconi, morto aos 86 anos em função de uma leucemia crônica.

O falecimento do líder conservador, ocorrido na última segunda (12), fez o Parlamento suspender votações em plenário durante uma semana e levou à proclamação de luto nacional pelo governo de sua aliada Giorgia Meloni - algo inédito para um ex-premiê.

"O empenho político de muita gente nasceu na oposição ao berlusconismo. Hoje eu guio a comunidade democrática, levamos respeito ao funeral, mas não participaremos da beatificação de Berlusconi", disse a líder do centro-esquerdista Partido Democrático (PD), Elly Schlein, que foi à cerimônia fúnebre do ex-primeiro-ministro na última quarta (14).

"Pedir três dias de luto nacional é uma forçação de barra inoportuna. É natural reservar isso a pessoas que uniram a república, característica que não corresponde ao Berlusconi político", acrescentou Schlein a uma emissora italiana.

Já o ex-premiê Giuseppe Conte, líder do populista Movimento 5 Estrelas (M5S), disse ter ouvido relatos de observadores estrangeiros "maravilhados com um país parado pela morte de Berlusconi e com uma cobertura midiática tão celebrativa que se torna unilateral".

"Isso nos faz questionar os estilos e costumes culturais deste país", acrescentou Conte, que não foi ao funeral de Berlusconi.

Riccardo Ricciardi, vice-presidente do M5S, fez coro e afirmou que a "narrativa televisiva" sobre a figura do "Cavaliere" se parece com uma "canonização".

"Acreditamos que tal espetacularização não faz bem à informação nem à democracia. Aquilo que vimos nas TVs italianas foram três dias de uma verdadeira canonização, uma anomalia absoluta que não ajuda a imagem da Itália diante dos olhos do exterior", ressaltou.

Berlusconi foi o premiê mais longevo da história republicana na Itália e protagonizou a vida política no país nas últimas três décadas. No entanto, também teve a trajetória marcada por dezenas de processos judiciais - incluindo uma condenação definitiva por fraude fiscal em 2013 - e escândalos sexuais.

Ao longo dos últimos anos, viu seu partido perder cada vez mais popularidade, reduzindo-se ao papel de terceira força na coalizão de direita que governa a Itália atualmente. (ANSA)

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Veja também

Ou use