/ricerca/brasil/search.shtml?any=
Mostre menos

Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

Cúpula da Otan vai reforçar promessa de adesão da Ucrânia

BRUXELAS, 10 julho 2023, 10:13

Redação ANSA

ANSACheck

Cúpula da OTAN acontece na Lituânia - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

(ANSA) - Com a proximidade do início da cúpula da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), que acontece entre terça e quarta-feira (11 e 12) na Lituânia, chefes de Estado sinalizam que a aliança vai manter o apoio firme à Ucrânia, mas que o país só vai ingressar no grupo após o fim da guerra contra a Rússia.

"Acredito que a melhor escolha seja a de criar um conselho Otan-Ucrânia para preparar o terreno para uma futura adesão de Kiev, que certamente deverá acontecer após a guerra", declarou o ministro das Relações Exteriores da Itália, Antonio Tajani.

"Isso não significa que não haverá atenção para a Ucrânia ou que não será feito todo o possível para garantir a liberdade e a independência do país, mas mantenho que se deve chegar ao objetivo com passos que permitam alcançar a paz", completou.

O principal gesto de apoio deverá ser a decisão de permitir que a Ucrânia entre na organização sem necessidade de seguir o Plano de Ação para a Adesão (Membership Action Plan, MAP), que orienta os países aspirantes a tomar determinadas medidas de adequação às regras da Otan.

"Os estudos estão em andamento. Não há uma decisão final tomada, mas acredito que os aliados mandarão uma mensagem clara à Ucrânia e que amanhã haverá um acordo. Mas é cedo para entrar em detalhes", disse o secretário-geral da aliança, Jens Stoltenberg, durante coletiva de imprensa.

"Vamos aumentar nosso apoio à Ucrânia com um pacote de assistência múltipla e poderemos aproximar o país da Otan", concluiu.

Em resposta, o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, afirmou que a adesão ucraniana teria "consequências muito, muito negativas", segundo a agência oficial russa Tass. Ele afirmou ainda que, nesse caso, a Rússia precisaria ter uma "reação firme".
   

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Ou use