/ricerca/brasil/search.shtml?any=
Mostre menos

Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

Lula defende paz na Ucrânia, mas critica 'pressa' de Boric

Presidente brasileiro se opôs a seu colega chileno

BRASÍLIA, 19 julho 2023, 09:15

Redação ANSA

ANSACheck

Lula e Boric se abraçam durante cúpula UE-Celac © ANSA/EPA

(ANSA) - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) voltou a defender a paz na Ucrânia, mas criticou o posicionamento de seu homólogo chileno, Gabriel Boric, durante uma coletiva de imprensa nesta quarta-feira (19) em Bruxelas, após a cúpula entre União Europeia e Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac).

"Acho que tem muita gente que estava muito nervosa e muito afobada há seis meses e agora precisa encontrar alguém que encontre o caminho da paz. O Brasil tem feito isso desde o começo, temos conversado com a China, com a Indonésia, com parceiros nossos da América Latina. É preciso que a gente construa um grupo de países capaz de convencer a Rússia e a Ucrânia de que a paz é o melhor caminho", afirmou Lula.

"Obviamente, não posso deixar de compreender o nervosismo da União Europeia. Afinal de contas, tem países que fazem fronteira com a Ucrânia. É normal que as pessoas que estão ali tenham uma preocupação maior que a minha, que estou a 14 mil quilômetros de distância. É exatamente pelo fato de a gente estar distante que a gente pode ter a tranquilidade de não entrar no clima em que estão os europeus e tentar construir a paz. O mundo começa a cansar, então vai chegar um momento em que vai ter paz", acrescentou.

Durante a cúpula UE-Celac, o presidente Boric, símbolo da nova esquerda latino-americana e sempre tido como aliado de Lula, defendeu uma posição mais dura da região contra a invasão russa. "Hoje é a Ucrânia, amanhã seremos nós", afirmou o chileno.

Na coletiva de imprensa, o presidente brasileiro disse que não precisa concordar com Boric e ainda acusou seu homólogo de ansiedade.

"Possivelmente, a falta de costume de participar dessas reuniões faça com que um jovem seja mais sequioso, mais apressado, mas as coisas acontecem assim. Foi a mais madura reunião que eu participei entre América Latina e União Europeia, se chegou a um documento que foi extremamente razoável, de interesse de todo mundo. Eu já tive a pressa do Boric. No meu primeiro ano de mandato, eu ia para uma reunião do G7 e queria que as coisas fossem decididas ali. A gente tem que compreender que nem todo mundo tem a mesma pressa", ressaltou Lula. (ANSA)

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Ou use