/ricerca/brasil/search.shtml?any=
Mostre menos

Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

Meloni quer missão da UE para frear chegadas de migrantes

ROMA, 15 setembro 2023, 18:33

Redação ANSA

ANSACheck

Dados do Ministério do Interior apontam que a nação recebeu 127,2 mil migrantes forçados via Mediterrâneo desde o início do ano - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

(ANSA) - A primeira-ministra da Itália, Giorgia Meloni, comentou nesta sexta-feira (15) que uma "missão da União Europeia" é necessária para "impedir a saída" de barcos com migrantes.

Em um vídeo divulgado pelo Palazzo Chigi em relação ao tema, a chefe de governo italiana destacou que essa ação europeia deveria ocorrer "em acordo" com as autoridades dos países do norte da África.

"É preciso verificar quem tem ou não direito ao asilo e acolher na UE apenas aqueles que realmente têm direito a isso. Ao mesmo tempo, trabalhar com investimentos sérios no desenvolvimento", analisou Meloni.

"O governo pretende imediatamente adotar medidas extraordinárias para fazer frente ao número de desembarques que temos assistidos em nossas costas", acrescentou.

Na gravação, a premiê defendeu que a "pressão migratória" em cima de Roma desde o início do ano "é insustentável". Ela também reforçou que a Europa "não pode aceitar essa enorme massa de pessoas" chegando.

"Isso tudo é fruto de uma situação internacional muito difícil que combina problemas que os países africanos já tinham com uma situação de instabilidade crescente, entre golpes de Estado, catástrofes naturais e guerras", analisou Meloni.

Na esteira de tudo isso, a primeira-ministra convidou a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, para visitar a ilha italiana de Lampedusa, que se encontra em estado de emergência pelos sucessivos recordes de desembarque de migrantes.

O poder Executivo da UE admitiu que os Estados-membros precisam demonstrar solidariedade à Itália por conta da crise migratória no Mar Mediterrâneo.

Dados do Ministério do Interior italiano apontam que a nação recebeu 127,2 mil migrantes forçados via Mediterrâneo desde o início do ano, quase o dobro da cifra registrada no mesmo período de 2022.
   

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Ou use